• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 63.562 casos
  • 1.352 mortes
  • 61.622 curados
20.7 C
Serra
sábado, 12 junho - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 63.562 casos
  • 1.352 mortes
  • 61.622 curados

Lama da Samarco já está perto do Rio de Janeiro

Leia também

Ministro de Bolsonaro cita a Serra e divulga vídeo da obra do Contorno do Mestre Álvaro

Na última sexta-feira (11) o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas publicou um vídeo em suas redes sociais,...

Atenção: Serra ainda tem vagas para vacinas de Covid (1° e 2° dose) e Influenza

A Prefeitura Municipal da Serra, por meio da secretaria de Saúde, informa que das vagas abertas nesta sexta-feira (11),...

Serra retoma aulas presenciais para 14 mil alunos do 6º ao 9º ano e EJA

  As atividades para os alunos da rede municipal de educação da Serra que estão cursando entre o 6º e...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Situação da foz do rio Doce no último dia 10, cujas águas estão impregnadas dos rejeitos da mineração. Foto: Cassiano de Luca
Situação da foz do rio Doce no último dia 10, cujas águas estão impregnadas dos rejeitos da mineração. Foto: Cassiano de Luca

Clarice Poltronieri

Já se passaram mais de 100 dias da tragédia/crime ambiental da Samarco (Vale+BHP Billiton) cujo rompimento da barragem de rejeitos de minério devastou mais de 600 km do rio Doce e a lama continua descendo e se espalha por todo litoral capixaba, tendo chegado próximo à divisa com o Rio de Janeiro, no município de Presidente Kennedy.

Os dados estão no site Governança pelo rio Doce onde é possível verificar que todo o litoral capixaba foi atingido pela chamada ‘pluma’ de sedimentos, parte menos densa da lama da Samarco. O site disponibiliza imagens de satélites da NASA, apontando os locais afetados pela lama com registros quase diários.

No litoral serrano, a lama estava próxima em meados de 26 de dezembro do ano passado, atingindo a costa em 1º de janeiro e desde então oscila, ora sendo vista no litoral, ora não. Segundo imagens do satélite, a lama chegou a atingir a região de Presidente Kennedy, no sul do estado, próximo à divisa com o Rio de Janeiro, em 5 de fevereiro e continuava na região até 10 de fevereiro.

O último registro divulgado na segunda (15) mostra a lama no litoral da Serra.

O Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema) confirmou, por meio de nota, que a Samarco ainda não sanou o vazamento na barragem Fundão, em Mariana, Minas Gerais, e afirma que não é possível mensurar ainda a dimensão dos danos causados ao meio ambiente e ao homem, sendo necessário continuar o monitoramento da zona costeira e marinha do Rio Doce.

Pontos de análise não são revelados

Mas até o momento, apenas a região da foz do rio Doce foi avaliada, já que o Iema, em parceria com a Ufes, ainda está definindo os pontos a serem monitorados e nos parâmetros a serem analisados pela academia.

Já o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) afirma que acompanha o impacto da pluma diariamente com  imagens de satélite do Terra/Modis e Aqua/Modis, da NASA,  e que a Marinha, o Instituto Chico Mendes (ICMbio) e a Universidade Federal do Espirito Santo (Ufes) estão realizando análises ao longo do litoral, mas não especificou os pontos de análise.

Afirma ainda que notificou a Samarco a também realizar análises e que recomendou a suspensão da pesca na área de maior concentração da pluma.
A Samarco informou, via assessoria de imprensa, que tem realizado inúmeras ações ao longo do rio Doce, estas divulgadas em relatório na última segunda (15) e que acompanha o avanço dos resíduos no mar, disponibilizando aeronaves e imagens de satélite. Disse ainda que nos monitoramentos semanais das praias na região da foz do Rio Doce, até a região do Pontal do Ipiranga, não foi encontrado nenhum resultado de metal fora dos padrões. Sobre as demais praias atingidas pela pluma, a empresa não se pronunciou.

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!