19 C
Serra
domingo, 31 de Maio de 2020

Lama avança e está mais perto de praia da Serra

Leia também

Servidores da Serra podem realizar perícia médica por meio da internet

Enquanto os serviços seguem limitados em função da pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura da Serra está permitindo que...

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

 

Foz do rio Doce em Regência onde a lama, até ontem (26) já havia avançado 10 km ao sul, 22 km a norte e seis a leste. Foto: Fred Loureiro / Secom ES
Foz do rio Doce em Regência onde a lama, até ontem (26) já havia avançado 10 km ao sul, 22 km a norte e seis a leste. Foto: Fred Loureiro / Secom ES

A lama dos rejeitos de minério da Samarco (Vale + BHP Billiton) que segue descendo pelo devastado rio Doce se espalha pelo litoral capixaba e está mais próxima as praias da Serra.

Segundo a assessoria de imprensa do Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema), a onda de lama deslocou-se aproximadamente 10 km ao sul, seis km ao leste e 22 km ao norte da foz do Rio Doce. Os técnicos fizeram um sobrevoo nesta quinta-feira (26).

Isso significa que os resíduos estão a menos de 50 km da foz do rio Reis Magos em Nova Almeida, localidade que está a cerca de 58 km de Regência, Linhares conforme medição feita no Google Earth.

Considerando-se a corrente marítima que percorre o litoral capixaba vinda do nordeste até Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro, há risco que ela atinja o litoral da Grande Vitória, em especial após a chegada do vento nordeste.

E isso já traz preocupações. A bióloga e pesquisadora do Instituto Capixaba de Pesquisa e Extensão Rural (Incaper), Márcia Vanacor, tem um cultivo de peixes com o grupo de Associação de Pescadores de Lajinha no rio Pìraquê-Açu, em Aracruz.

“A lama vai entrar no rio (Piraquê-Açu), pois ali o mar avança 22 km e está sujeito a ação de maré. Mas não sabemos como ela vai ficar dentro do estuário. Não conseguimos nem raciocinar, de tanta lama que é. Há controvérsias se ela é tóxica ou não, mas esse excesso já é um grande desastre, que vai levar dez anos ou mais para recuperar. E a tendência que isso fique depositado entre a foz do Doce e a capital do ES, por causa da corrente marítima chamada giro de Vitória”, explica.

Já a Secretária de Meio Ambiente da Serra, Andreia Carvalho, disse que o município está acompanhando a evolução da lama junto com órgãos estaduais e federais. “É remota a possibilidade de atingir as praias da Serra. Mas, se isso acontecer, tomaremos medidas para proteger os pescadores e banhistas”, adianta.

Andreia também não descarta acionar judicialmente as mineradoras responsáveis pelos danos que isto poderá causar ao município. Na tarde de ontem (29) o navio da Marinha, que vai fazer o monitoramento da lama no litoral e na foz do rio Doce, chegou à Regência, em Linhares.

Comentários

Mais notícias

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando e oferecendo as vagas de...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de máscaras e kits de limpeza...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!