• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.377 casos
  • 956 mortes
  • 48.328 curados
28.4 C
Serra
terça-feira, 13 abril - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.377 casos
  • 956 mortes
  • 48.328 curados

Greenpeace alerta para surto de dengue e malária no vale do rio Doce

Leia também

Prefeitura da Serra volta a fechar acesso à Rotatória do Ó para obra de duplicação

Na manhã dessa terça-feira (13) motoristas que seguiam pela Avenida Paulo Pereira Gomes sentido Laranjeiras, voltaram a ter que...

Cesan deixa esgoto vazando em frente a comércios e residências em bairro da Serra

Um vazamento de esgoto está deixando moradores e comerciantes de bairro da Serra em uma situação complicada e fedorenta....

Após paralisação dos rodoviários, ônibus do Transcol ficam superlotados na Serra

Logo após causar transtornos na vida de milhares de capixabas, a paralisação promovida por rodoviários do sistema Transcol deixaram...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Nilo D’ávila percorreu os trechos do rio Doce atingidos pela lama de minério. Foto: Divulgação

Por Bruno Lyra

O coordenador de Campanha da Ong Greenpeace no Brasil, Nilo D’ávila, defendeu o fim da autofiscalização na indústria de mineração no Brasil. Hoje são as próprias mineradores que fazem relatórios periódicos sobre a poluição e outros impactos que geram, incluindo o grau de risco das barragens.

Para Nilo a tragédia da Samarco em Mariana – MG era evitável e um dos desdobramentos negativos, será aumento de doenças ao longo do rio Doce. “É inconcebível que a maior empresa do país, a Vale, e a maior mineradora do mundo, a BHP Billiton, tenham deixado isso acontecer e sequer conseguiram ter um plano de contingência para impedir o deslocamento da lama por uma área tão grande”, critica.

O coordenador disse que o prejuízo à vida marinha será difícil se calcular e talvez só possa ser mensurado ao longo de anos. “Vamos torcer para que as correntes marinhas não joguem a lama sobre o coral de Abrolhos e que a levem para áreas mais profundas do oceano”, frisa.

Nilo disse ainda que a pesca deverá ser duramente atingida, principalmente os pescadores artesanais, já que as empresas tem mais capacidade logística para buscar o pescado em outras regiões do oceano.

Há projeções que indicam que a lama pode atingir uma faixa costeira de 9km de largura até 200m. “Não há condições técnicas de impedir que chegue no mar. Vai prejudicar a reprodução das tartarugas, no mínimo irá reduzir as chances de sobrevivência dos filhotes. O pior é que estamos na época da reprodução desses animais” explica.

No vale do rio Doce a economia e a saúde pública também terão consequências catastróficas de longo prazo. “As indústrias de celulose, Cenibra em MG e Fíbria no ES, não terão água para produzir. A morte dos peixes deve gerar uma superpopulação de insetos – mosquitos e moscas, aumentando a incidência de doenças como malária e dengue”, alerta.

Risco em barragens

E o pesadelo pode ficar ainda pior. A Samarco corre contra o tempo para evitar o rompimento da barragem do Germano e de Santarém, que tiveram suas estruturas abaladas após o desastre na barragem de Fundão, no último dia 05 em Mariana – MG.

A empresa faz obras de reforço nas duas e disse ter ampliado o trabalho de monitoramento. O agravante são as chuvas que começaram a cair com intensidade nos últimos dias na região.     

 

 

 

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!