19 C
Serra
domingo, 31 de Maio de 2020

Fíbria garante que lama não afeta produção de celulose

Leia também

Servidores da Serra podem realizar perícia médica por meio da internet

Enquanto os serviços seguem limitados em função da pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura da Serra está permitindo que...

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

 

Empresa tem autorização para captar 5 mil litros de água por segundo do rio Doce, mas foi obrigada a suspender por conta da lama
Empresa tem autorização para captar 5 mil litros de água por segundo do rio Doce, mas foi obrigada a suspender por conta da lama. Foto: Divulgação 

Por Bruno Lyra

Parte das águas que a Fíbria usa em sua fábrica de celulose em Barra do Riacho, Aracruz, vem do rio Doce, que agora está contaminado pela lama de rejeitos de minério das barragens da Samarco (Vale + BHP Billiton). E mesmo com o cenário da falta de previsão de quando a água do rio estará novamente em boas condições, a Fíbria afirma que a produção não está sendo afetada. Pelo menos por enquanto.

Segundo a assessoria de imprensa da empresa, o sistema de captação no Doce através do canal Caboclo Bernardo construído em 1998, foi fechado assim que a lama chegou a região de Linhares, no último dia 21.  “A Fíbria seguiu a recomendação do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Aracruz (ES) e da Agência Nacional de Águas (ANA). A medida irá durar até que os órgãos competentes recomendem a abertura das comportas”, diz a assessoria.

O canal transpõe água do Doce para a bacia do rio Riacho, um manancial de pequeno porte que fica entre os limites de Linhares e Aracruz. A assessoria da Fíbria informou que a empresa tem autorização da ANA para captar até 5 mil litros por segundo no canal Caboclo Bernardo. O volume corresponde a quase todo consumo de água residencial, comercial e industrial na Grande Vitória.

A empresa diz que parte desse volume captado vai para as comunidades rurais da região, mas não detalha quanto. Também não revela a quantidade de água que consome em sua fábrica, ressaltando que a água do Doce é fonte complementar. Diz ainda que têm alternativas a situações de contingência, incluindo um sistema próprio de represas, acrescentando que a produção de celulose na fábrica de Aracruz segue normal.

A Fíbria é uma das principais indústrias instaladas no Espírito Santo. Gera seis mil empregos diretos e mais de 10 mil indiretos. Além da fábrica de celulose em Aracruz, a empresa mantém plantios de eucalipto em vários municípios do ES, incluindo a Serra, onde possui cerca de 5 mil hectares de terra – o que dá quase 10% da área territorial da cidade.

Comentários

Mais notícias

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando e oferecendo as vagas de...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de máscaras e kits de limpeza...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!