30.6 C
Serra
terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Estado monitora risco de rompimento em barragem de minério

Leia também

Banda Volave vai dar o tom do ano novo no Espaço Marbella com bebida e comida liberadas

    A banda Volave, de Chácara Parreiral voltou com força total para o cenário musical neste final de ano. O projeto...

Crianças colocam fogo em decoração de Natal do Parque da Cidade

Um ato de vandalismo chamou atenção de quem passava pelo Parque da Cidade na manhã desta terça-feira (10). Trata-se...

Depressão: Cães e gatos também sofrem com a doença

O Brasil é o país mais deprimido da América Latina, são quase 12 milhões de brasileiros sofrendo com a...

Lama trazida pelo rio Doce para o litoral capixaba no final de 2015. (Foto: Fred Loureiro/Secom/ES)

Localizada nas cabeceiras do rio Doce, a barragem de rejeitos de minérios da Vale localizada na Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG), está na iminência de estourar. Mesmo se o rompimento acontecer, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama) considera prematura a afirmação de que atingirá o rio Doce e, consequentemente, chegar ao Espírito Santo e ao Atlântico, como aconteceu com a barragem da Samarco (Vale + BHP), em Mariana (MG), rompida em novembro de 2015.

Em nota enviada ao TEMPO NOVO no final da tarde da última quarta-feira (22), a Seama argumenta que uma nova contaminação do Doce depende de vários fatores, “principalmente do volume desse rejeito, que, segundo os órgãos mineiros de controle, é bem inferior aos de Brumadinho. A distância do barramento até o rio Doce também seria um obstáculo importante. Essa distância é de aproximadamente 200 km. E no trajeto possível dos rejeitos, ainda existem duas outras barragens de produção de energia elétrica que poderiam contribuir para o impedimento do possível fluxo até o rio Doce”.

No caso do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, ocorrida em janeiro de 2019, e o da Samarco, hidrelétricas não foram capazes de estancar a contaminação. No caso da primeira, a sujeira praticamente matou o rio Paraopeba e segue contaminando o São Francisco. Na segunda, a lama percorreu mais de 600 km no rio Doce até atingir o litoral capixaba. Dali, se espalhou até o sul da Bahia e norte fluminense.

Para efeito de comparação, da barragem de Mariana vazaram 43,7 milhões de m3 de lama. De Brumadinho, 12 milhões de m3 escorreram. A estrutura da barragem Barão de Cocais contém 9,4 milhões de m3.

Na mesma nota, a Seama diz que está monitorando e acompanhando as ações dos órgãos de controle de Minas Gerais e da Vale, atualizando as informações e analisando os impactos, caso ocorra o rompimento da barragem. Disse, ainda, que procedimentos preventivos de contenção e de retiradas da população, que seria impactada, já estão sendo providenciadas pelo Estado vizinho.

No último dia 16 de maio, a Vale afirmou que o deslocamento do talude da mina de Congo Soco estava se deslocando, o que se confirmou no dia seguinte. Segundo a mineradora, esse talude deve desabar até sábado (25). Tal movimentação pode gerar abalo sísmico com potencial para fazer romper a barragem de rejeitos que fica abaixo da estrutura. Por conta da situação, a Agência Nacional de Mineração (ANM) interditou o complexo minerário em 17 de maio.

Comentários

Mais notícias

Crianças colocam fogo em decoração de Natal do Parque da Cidade

Um ato de vandalismo chamou atenção de quem passava pelo Parque da Cidade na manhã desta terça-feira (10). Trata-se de um Papai Noel de...

Depressão: Cães e gatos também sofrem com a doença

O Brasil é o país mais deprimido da América Latina, são quase 12 milhões de brasileiros sofrendo com a doença. Porém, quem pensa que...

Léo Dagaz, banda Pura Viva e outras atrações na agenda do Enseada Beach Club no sábado

Neste fim de semana começa a programação Enseada Beach Club – um novo conceito que promete animar e movimentar as tardes do verão de...

Deputados são contra aumento no Fundo Eleitoral, mas usaram dinheiro para campanha -veja valores

Em 2020 partidos políticos podem ter R$ 3.8 bilhões para gastar nas campanhas eleitorais. Isso porque, foi aprovado na Comissão Mista um relatório que...

Você também pode ler

Conteúdo patrocinado

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!