25.2 C
Serra
sábado, 19 de setembro de 2020

Estado começa a licitar obra do Aristóbulo Barbosa Leão

Leia também

Serra despenca no ranking de qualidade da educação inicial e não bate meta do Ideb

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado nas últimas semanas, aponta uma significativa queda da Serra no...

Homem é morto a tiros no meio da rua em Serra Dourada III

Os moradores de Serra Dourada III tomaram um baita suto na madrugada desta sábado (19). É que um homem...

Vidigal e Audifax correm atrás do PT visando tempo de TV na eleição

A possibilidade de a Justiça Eleitoral incluir a Serra na transmissão da propaganda eleitoral gratuita foi o start para...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Perspectiva divulgada pelo Governo anterior de como deve ficar o novo Aristóbulo Barbosa Leão. Foto: Divulgação / Sedu

O Governo do Estado já deu início ao processo de licitação da nova obra da escola Aristóbulo Barbosa Leão (ABL), em Parque Residencial Laranjeiras. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado de Educação (Sedu) no início da tarde desta terça-feira (21). Segundo a Sedu, o edital da construção – estimado no valor de R$ 17 milhões – será publicado nos próximos 30 dias.

Após a publicação do edital, as empresas interessadas poderão apresentar suas propostas, e a que ganhar a licitação poderá começar as obras nos próximos meses. Ao TEMPO NOVO, a Sedu não soube estimar quando as obras iniciam, já que o processo licitatório ainda está em andamento. A obra deve custar R$ 17 milhões, mas o valor ainda não é o oficial, que só poderá ser divulgado após a licitação.

No ano passado, a reportagem teve acesso a uma parte do projeto de construção do novo Aristóbulo. No documento, que foi entregue para alunos do ABL, está planejado que a nova escola contará com 24 salas de aula comuns, um laboratório de informática, um laboratório comum, biblioteca, Centro de Idiomas, sala de dança, sala de música, quadra esportiva, duas miniquadras e um auditório.

Em uma reunião feita com alunos da escola no final de maio de 2019 , o subsecretário de Suporte à Educação, Aurélio Meneguelli Ribeiro, afirmou que a obra deve ficar pronta dois anos após o início da construção.

A ‘novela’ é longa e já custou mais de R$ 12 milhões…

O prédio do ABL, em Laranjeiras, tem 41 anos e começou a ser reformado em 2012. O custo divulgado na época era de R$ 9 milhões e a reforma deveria ter sido entregue em julho de 2014. No entanto, as obras foram paralisadas naquele ano. O motivo, de acordo com o Instituto de Obras Públicas do Espírito Santo (Iopes), é que a empresa contratada para executar o serviço faliu e abandonou o trabalho. Com a reforma, que não foi concluída, o gasto chegou aos R$ 6 milhões.

Logo no início das obras, em 2012, os alunos foram levados para um espaço provisório onde funcionava uma faculdade, em Jardim Limoeiro, ao lado do cruzamento entre as rodovias Norte-Sul e ES-010. Ao longo desses anos, o prédio vem sendo motivo de queixas e protestos de estudantes, que alegam falta de estrutura. Dentre eles, espaço precário para educação física, ausência de ar-condicionado, ventiladores e parte elétrica com problemas constantes, além dos riscos de assaltos nas redondezas.

O espaço alugado em Jardim Limoeiro custa cerca de R$ 80 mil (de aluguel) por mês aos cofres públicos. Em 2018, o valor do aluguel era de R$ 78 mil mensal. Após uma longa busca no Portal da Transparência, o TEMPO NOVO constatou que o contrato de aluguel firmado em 2019 foi no valor total de R$ 885.967,06. Neste ano, a reportagem não teve acesso ao contrato. Ao todo, até 2019, foram gastos cerca de R$ 5 milhões somente com aluguel, enquanto se aguarda a obra da nova escola em Laranjeiras.

Enquanto as obras não andavam, o prédio do ABL, em Laranjeiras, ficou abandonado por quatro anos e foi demolido pelo Governo do Estado no final de 2018. Na época, o então secretário da Educação, Haroldo Rocha, afirmou que o espaço estava sem ‘boas condições’ para continuar a reforma. A demolição custou R$ 290,7 mil.

Questionado pela reportagem sobre os valores gastos nas obras e os atrasos, Haroldo sugeriu pensar positivo e prometeu que a obra estaria licitada até o final de 2018, o que não aconteceu.

Vale lembrar que foi demolido somente o prédio principal da escola, onde aconteciam as aulas. Foram mantidas da estrutura atual a cozinha e as áreas de apoio, o refeitório coberto, as área de serviço, o vestiário, o auditório e a quadra poliesportiva.

Somando os valores da reforma não concluída, dos aluguéis pagos e da demolição, o Governo do Estado já gastou cerca de R$ 12 milhões com a escola que ainda não está pronta. O valor ainda deve aumentar, já que, por enquanto, a obra está só no papel.

Comentários

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Homem é morto a tiros no meio da rua em Serra Dourada III

Os moradores de Serra Dourada III tomaram um baita suto na madrugada desta sábado (19). É que um homem foi assassinado por volta das...

Vidigal e Audifax correm atrás do PT visando tempo de TV na eleição

A possibilidade de a Justiça Eleitoral incluir a Serra na transmissão da propaganda eleitoral gratuita foi o start para uma corrida em busca do...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!