22.6 C
Serra
quarta-feira, 27 de Maio de 2020

Doenças de alagamento deixam saúde em alerta

Leia também

Fábio Duarte, escolhido por Audifax para ser o seu sucessor, fala um pouco da sua história

Administrar uma Prefeitura como a da Serra, o município mais populoso do Estado, não é para qualquer um. Suceder...

Destruição da Mata Atlântica reduz no ES, mas cresce em outros estados

Em tempos onde Brasília age abertamente para reduzir a proteção ambiental no país, uma boa notícia para os capixabas....

Polícia Rodoviária apreende 1.440 caixas de cervejas sem nota fiscal na Serra

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu uma carga de caminhão com 1.440 caixas de cervejas sem nota fiscal na...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Moradores de diversas regiões da cidade tiveram contato com a água de alagamento, que quase sempre tem esgoto e dejetos de animais. Foto: Divulgação

A Serra está em alerta com as doenças relacionadas ao contato de moradores com as águas de alagamentos causados pelas fortes chuvas que atingiram o Espírito Santo no último final de semana. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, ainda não foi registrado nenhum caso dessas doenças, mas os sintomas podem demorar para se manifestar e, caso ocorram, as unidades de saúde possuem protocolo para atender e tratar pacientes.

Na Serra, as áreas mais afetadas por alagamentos foram as regiões de Central Carapina, Nova Almeida, Jacaraípe e Hélio Ferraz. Moradores de Jardim Limoeiro e Balneário de Carapebus também reclamaram de pontos alagados em suas comunidades.

A infectologista Rubia Miossi enumera as doenças mais comuns que atingem pessoas que tiveram contato com água de alagamento: hepatite A, leptospirose e diarreias. De acordo com ela, essas doenças podem ser muito graves e levar o infectado à morte. “Os sintomas são náuseas, vômitos, diarreia e febre. A leptospirose apresenta, ainda, dores no corpo (principalmente nas pernas), mal estar, febre, olhos vermelhos e pele e olhos amarelados”, explica a doutora.

Rubia ainda disse que em alguns casos os sintomas podem surgir somente um mês após. Por isso, a orientação é buscar ajuda médica ao sentir algum sintoma. “É importante procurar logo o médico e informar que teve contato com água de enchente. Outra coisa é o tempo em que essas doenças podem se desenvolver. Algumas delas, como a diarreia, pode acontecer até cinco dias depois do contato com a água. A leptospirose pode demorar até 20 ou 30 dias, e depois ela começa a dar sintomas”, explica a médica.

Ainda de acordo com a infectologista, a hepatite A geralmente aparece em até 14 dias. “Como esse prazo é variável, a gente fala que durante um mês a pessoa tem que ficar vigiando se vão aparecer alguns sintomas, porque algumas dessas doenças podem aparecer”, disse.

Comentários

Mais notícias

Destruição da Mata Atlântica reduz no ES, mas cresce em outros estados

Em tempos onde Brasília age abertamente para reduzir a proteção ambiental no país, uma boa notícia para os capixabas. Houve redução de 31% na...

Polícia Rodoviária apreende 1.440 caixas de cervejas sem nota fiscal na Serra

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu uma carga de caminhão com 1.440 caixas de cervejas sem nota fiscal na madrugada desta quarta-feira (27), no...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!