24.1 C
Serra
terça-feira, 19 de novembro de 2019

Desmatamento faz dengue, zika e chikungunya crescerem, aponta ONU

Leia também

Um partido para chamar de meu, segundo Jair Bolsonaro

Nessa semana que passou, colocando termo final na sua relação conflituosa com seu Partido PSL, o Presidente Jair Bolsonaro...

Vai chover nesta terça-feira (19)? Veja na previsão do tempo

A semana do capixaba começou com chuva em quase todo o Espírito Santo, inclusive na Grande Vitória. E a...

Morador da Serra vence prêmio de design nacional

Referência internacional na produção de acessórios de decoração e utilitários em resina de poliéster, o artista plástico e designer...

 

Desmatamento flagrado no último dia 21 de setembro em Costabela, entre Jacaraípe e Nova Almeida: Foto: Divulgação/Polícia Ambiental

A redução de florestas ou outras paisagens naturais como cerrados, caatingas, manguezais, restingas e brejos não só pioram problemas como aquecimento global, falta d’água e perda da biodiversidade. O desmatamento também facilita a proliferação, em áreas urbanas, de mosquitos transmissores de doenças infecciosas. O resultado é o avanço de doenças como dengue, malária, zika, chikungunya, febre amarela, entre outras.

Essa é uma das conclusões do Relatório de Biodiversidade da ONU, divulgado ainda no 1º semestre deste ano, que analisou mais de 15 mil pesquisas científicas e informações governamentais durante três anos.

Segundo a Fundação Boticário, no Brasil, presença de doenças transmitidas por mosquitos dobrou em 30 anos. “Os bens e serviços fornecidos pela natureza são os fundamentos definitivos da vida e da saúde das pessoas. Em ambiente natural, com florestas intactas, mamíferos, répteis, aves e insetos se autorregulam. O desmatamento, somado à expansão desordenada das áreas urbanas, faz com que os animais migrem para as cidades. No caso dos mosquitos, que são vetores de muitas doenças, a crise climática e o aumento da temperatura também trouxeram condições favoráveis à reprodução desses indivíduos. Nas cidades, eles passam a se alimentar também do sangue das pessoas, favorecendo a transmissão de enfermidades”,  detalha a gerente de Conservação da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Leide Takahashi.

Avanço de doença na Serra

Na Serra, por exemplo, em 2019 há avanço exponencial de uma das doenças transmitidas por mosquito: a dengue. Até o último dia 10 de outubro, a enfermidade havia atingido 16.475 pessoas (com 10 mortes), um aumento de mais de 1.200% em relação ao mesmo período de 2018.

É bom frisar, porém, que não há registro de desmatamento expressivo no município nos últimos meses e nem estudo local que correlacione destruição do meio ambiente à alta incidência de dengue. Mas, gradualmente, áreas verdes vêm sendo reduzidas, alagados aterrados, manguezais, restingas e áreas de mata Atlântica cortadas na Serra.

Comentários

Mais notícias

Vai chover nesta terça-feira (19)? Veja na previsão do tempo

A semana do capixaba começou com chuva em quase todo o Espírito Santo, inclusive na Grande Vitória. E a previsão do Instituto Capixaba De...

Morador da Serra vence prêmio de design nacional

Referência internacional na produção de acessórios de decoração e utilitários em resina de poliéster, o artista plástico e designer Rubens Szpilman, que é morador...

Mais de 100 vagas de emprego abertas no Sine da Serra

O Sine da Serra está com diversas oportunidades de emprego nesta terça-feira (29) e as chances são para profissionais com diferentes níveis de escolaridade....

OAB faz mutirão para orientar serranos sobre fraudes na Black Friday

O mutirão acontecerá nas proximidades da Avenida Central, em Laranjeiras, e os consumidores poderão se dirigir ao local para obter orientações sobre compras via internet, trocas e outras informações

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!