25.7 C
Serra
terça-feira, 30 novembro - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Criança de seis anos auxilia amigo autista a aprender escrever em creche pública da Serra

Leia também

Direitos Humanos | Serra vai ter mutirão para retificação de gênero e de nomes de pessoas trans

No dia 10 de dezembro se comemora o Dia Internacional dos Direitos Humanos.  E na Serra vai ter uma...

Prefeitura vai reforçar iluminação em bairros da Serra com extensões de rede

A Prefeitura da Serra, através da Secretaria de Serviços (Sese), anunciou que sete bairros da Serra vão ganhar reforço...

ES terá audiências públicas para mostrar diagnóstico de ações para reduzir riscos de inundações

Ao longo dos meses de dezembro deste ano e janeiro de 2022, o Governo do Estado, discutirá a macrodrenagem...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Caio e amigo João estudam na creche municipal Suely Larrubia Diniz, em Morada em Laranjeiras. Foto: Divulgação

Nem mesmo a maldade que percorre todo o mundo é capaz de contaminar o puro coração das crianças. A inocência dos pequenos, inclusive, é um belo exemplo para os adultos que muitas vezes perdem a essência do amor e empatia ao próximo durante a correria do dia a dia. E na Serra, a amizade entre dois meninos de seis anos numa creche auxiliou o aprendizado de um deles que é portador de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

João fez amizade com Caio, que é autista na creche municipal onde estudam, em Morada de Laranjeiras, e quem conta a bela história entre os amigos é a mãe de João, Ivete Gomes Ribeiro.

Para o TEMPO NOVO, Ivete, contou que tudo começou quando as aulas retornaram no CMEI Suely Larrubia Diniz e que a afeição entre os meninos ajudou Caio a desenvolver – ao lado do coleguinha e com auxílio da professora Jô do 5D – a escrita.

“Eu vivi um momento, que talvez seja o mais lindo de todo o percurso estudantil do meu filhote. Porque foi algo vindo do coração de uma mãe e de uma forma muito verdadeira”, disse.

De acordo com a mãe de João, após alguns dias do retorno às aulas, seu filho comentou que tinha chegado um novo amiguinho na turma. “De lá pra cá ele fala bastante nesse amigo. Segundo a professora eles têm afinidades nos gostos por filmes, desenhos, etc. O João fala do Caio como um grande amigo, e traz desenhos que eles fazem juntos, inclusive chegou todo feliz, um dia desses, com um desenho nas mãos, dizendo que o Caio tinha feito pra ele. Reparo no prazer que ele tem ao falar do coleguinha, e sempre que eles se despedem na hora da saída, percebo que há um carinho muito grande”.

Dias depois, Ivete conheceu a mãe de Caio, e permitiu que os meninos pudessem conviver também fora do horário escolar. “A mãe do Caio disse que ele gostava muito do João. E me confidenciou um assunto que me fez morrer de amor pela fala dela”, disse Ivete.

A confidência foi de que Caio aprendeu a escrever com auxílio de João. “Vi que ela queria falar mais do que o amor que um tem pelo outro, pois os seus olhos tinham uma expressão de gratidão, felicidade, sei lá. Foi então que ela me disse que o Caio é autista, e aprendeu a escrever com o João. Eu vi os seus olhos lacrimejarem”, revelou Ivete.

Ivete disse que a mãe de Caio, Daniele Fialho, contou o desenvolvimento do filho emocionada. “A psicopedagoga me chamou pra falar do progresso do Caio e disse que a evolução da psicomotricidade do meu filho se devia a um amiguinho chamado João. Ela disse que o João ensinou o Caio a escrever”, disse Daniele.

Caio não sabia pegar no lápis, e a atividade de fazer desenhos fez com que João percebesse que ele não sabia escrever. “Ele só pegava com a mão esquerda… foi aí que o João disse, um dia: Caio, você não sabe escrever com essa mão? Eu posso te ajudar! E todos os dias, ajudava ele a fazer desenhos e ensinou ele a segurar no lápis e fazer os seus registros”.

No mundo, estima-se que uma em cada 160 crianças tenha um Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). As limitações vividas pelas pessoas envolvidas com essas crianças são importantes termos conhecimento para nos colocarmos no lugar do outro e aprendermos a ter mais respeito e compreensão com tudo e todos.

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!