21.8 C
Serra
quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Contorno do Mestre Álvaro pode reduzir vendas em polo de atacarejo, diz liderança empresarial

Leia também

Serranos participam de seletiva de Vôlei Adaptado em Vitória

Eles têm 50, 60 e até 70 anos, mas, com uma vitalidade de dar inveja em muito marmanjo por...

Ministério público pede perda de mandato e de direitos políticos para Geraldinho Feu Rosa

Vereador de primeiro mandato, Geraldinho pode ter que ficar cinco anos sem disputar as eleições

Erick Musso escreve um ciclo de independência da Assembleia e responsabilidade com o ES

Artigo de Opinião do Jornal Tempo Novo   Em meio a uma articulação para antecipar a eleição da mesa diretora, o...

Loja de Atacarejo às margens da BR 101 em Colina de Laranjeiras: vendas no segmento podem ser impactadas com a redução do fluxo em 35% de veículos no trecho da BR 101 entre Carapina e Serra Sede, avalia o presidente da Associação Capixaba de Supermercados, Joel Falqueto. Foto: Imagem/ Google Earth

Se por um lado o Contorno do Mestre Álvaro vai melhorar mobilidade e segurança tirando parte do tráfego do atual traçado da BR 101 entre Carapina e Serra Sede, por outro ele pode afetar comércios e serviços que se beneficiam justamente deste trânsito. É o caso das lojas de atacarejo – aquelas que vendem tanto em pequenas quanto em grandes quantidades – que tem na Serra o principal polo deste segmento no Estado. A avaliação é do presidente da Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), João Falqueto, que também é empresário e morador do município.

Segundo ele a concentração de tantas lojas de atacarejo só foi possível por conta do trânsito de pessoas de outras cidades pela BR 101. “O foco do segmento é vender para restaurante, bar, cozinha industrial, que compram itens em maior volume. No caso da cozinha industrial, a Serra tem bastante, pois é uma cidade com muitas indústrias. Mesmo assim, parte do consumidor dos atacarejos da Serra vem de Aracruz, que tem a Fíbria, porto, Jurong. E também de outros municípios”, explica.

Falqueto avalia que o contorno do Mestre Álvaro pode tirar pelo menos parte deste consumidor, que não é da Serra, das lojas localizadas no eixo Carapina – Laranjeiras, uma vez que o cliente pode deixar de passar pelo trecho “Já há uma concentração alta, não só de atacarejos, mas também de super e hipermercados na Serra, que tem um volume de estabelecimentos acima da média nacional. E todas disputando o consumidor do varejo também, o que é um agravante”, analisa.

O presidente da Acaps pondera, entretanto, que por serem mais simples de montar do que um supermercado ou hipermercado convencional, o atacarejo mudado de lugar com mais facilidade. “Por ser mais robusta, a loja de atacarejo trabalha com volume grande de mercadorias e é preparadas para o trânsito de empilhadeiras em seus corredores. Por isso seu galpão pode ser mais facilmente adaptado para outra atividade, como logística, por exemplo. E isso também é vantagem”, observa.

Falqueto ressalta que sua avaliação sobre o impacto do Contorno do Mestre Álvaro está ainda no campo de hipótese, mas os empresários devem ficar atentos. “Temos o exemplo do Markro, pioneiro no atacarejo do ES. Loja bem localizada, na BR 101 entre Carapina e Laranjeiras, mas está com dificuldades. Simplesmente porque optou por um modelo de negócios com número muito baixo de funcionários. E mesmo sendo essa característica de atacarejo, a empresa exagerou, não observou uma tendência. E sabemos que o consumidor gosta de ter um funcionário para atendê-lo no corredor quando precisa”, exemplifica.

Negócios de R$ 70 milhões por mês e mil empregos gerados

De acordo com Falqueto, a Serra já possui sete lojas de atacarejo e uma construção. Na
BR 101, além do Macro, há o Atacadão e o Oba. Na mesma via está sendo construído o Vem, do grupo Extrabom.  Já na Av. Civit, há o OK.  Na rodovia ES 010, há uma outra loja do OK.

Na Eudes Scherrer, perto de Vila Nova, tem o Super Rede. E na Norte x Sul, em São Diogo, fica a loja do Sempre Tem.  De acordo dados da Acaps, elas geram de 900 a 1 mil empregos diretos e movimentam   R$ 70 milhões por mês.

Previsão é que nova rodovia fique pronta em dois anos

As obras do Contorno do Mestre Álvaro foram iniciadas no 1º semestre e estão na fase da terraplanagem. A gestão é do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT), que estima o custo em R$ 300 milhões. No início de outubro, o engenheiro responsável, Rodrigo Gomides, disse que R$ 100 milhões já estão garantidos para serem aplicados até o final deste ano. A futura via terá 18,9 km, ligando às regiões do Contorno de Vitória, ao sul, e Chapada Grande, ano norte, ambas na Serra. A previsão é que fique pronta em dois anos. E fará parte da BR 101, retirando 35% do tráfego existente hoje entre Carapina e Serra Sede, trecho que tende a ser municipalizado.

Comentários

Mais notícias

Ministério público pede perda de mandato e de direitos políticos para Geraldinho Feu Rosa

Vereador de primeiro mandato, Geraldinho pode ter que ficar cinco anos sem disputar as eleições

Erick Musso escreve um ciclo de independência da Assembleia e responsabilidade com o ES

Artigo de Opinião do Jornal Tempo Novo   Em meio a uma articulação para antecipar a eleição da mesa diretora, o presidente da Assembleia Legislativa, Erick...

Rotina: jovem é assaltada na Serra às 4h da manhã indo trabalhar

https://youtu.be/Lo_QtrFaxyg Assaltos a pontos de ônibus e a qualquer hora do dia. Quem mora em Nova Carapina II está tendo que conviver com este problema...

Onda de roubos e arrombamentos deixa Manguinhos aterrorizado

A comunidade de Manguinhos está aterrorizada. Isto porque somente de março a novembro já foram mais de quarenta casas e comércios arrombados na vila...

Você também pode ler

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!