28.7 C
Serra
sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Contorno do Mestre Álvaro gera desmate e assoreamento de rios

Leia também

Volta às aulas facultativa | Pais podem optar se irão mandar filhos para escola

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, concedeu na manhã desta sexta-feira (18) ao lado do secretário de...

Contarato acusa Governo Bolsonaro de omissão no combate às queimadas no Pantanal e cobra ações

O senador capixaba Fabiano Contarato (Rede) entrou com uma representação na Procuradoria Geral da República pedindo que sejam adotadas...

Prefeitura diz que fiscaliza, mas bares continuam causando aglomerações na Serra

Mesmo com os bares lotados e muitas reclamações de falta de fiscalização nesses estabelecimentos, a Prefeitura da Serra diz...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Fundo de vale com matas e riacho formador da Juara impactados pela obra. Foto: Bruno Lyra

As obras do Contorno do Mestre Álvaro seguem avançando. E tanto pela dimensão da futura pista da BR-101 quanto pelo fato de atravessar áreas ambientalmente sensíveis, os impactos à natureza são expressivos. Na semana passada, a reportagem percorreu os 18,9 km do novo trecho da rodovia – entre o Jacuhy, ao sul da via, e Chapada Grande, ao norte.

Apesar de em alguns pontos existirem telas para impedir o carreamento de barro dos taludes de cortes e aterros, elas não conseguiram impedir que volumes expressivos de barro fossem parar em córregos, brejos e lagoas. Ainda mais com as fortes chuvas dos últimos meses. Esses impactos afetam águas que formam os alagados do Mestre Álvaro (ao sul e centro do traçado) e das cabeceiras da lagoa Juara (ao norte).

O desmatamento também é marcante, sobretudo nos vales dos córregos que descem para a lagoa Juara. Segundo o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), órgão responsável pelo licenciamento da obra, 34,4 hectares de florestas em estágio inicial e médio de recuperação foram derrubados. Isso em Área de Preservação Permanente (APP).

De acordo com a assessoria de imprensa do Iema, para compensar, os responsáveis pela obra depositaram R$ 375,2 mil na conta do Fundo de Recursos Hídricos e Florestais do ES (Fundágua), que dentre outros financiamento pode bancar a recuperação de matas ciliares. O órgão acrescenta que, por determinação do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do ES (Idaf), também terá que ser recuperada uma área de 10 hectares no município de Santa Teresa.

Quanto ao assoreamento das águas, o Iema disse que fará vistoria nas obras. A assessoria de imprensa disse que a última vistoria feita pelo órgão feita em setembro do ano passado observou que as medidas de controle para esse item estavam sendo cumpridas.

A obra é de responsabilidade do Governo Federal, por meio do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit). A execução está sendo feita pela empresa Contractor. O engenheiro da empresa, Rodrigo Gomides, disse que a execução da obra segue a determinação dos órgãos ambientais.

Comentários

Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Mais notícias

Contarato acusa Governo Bolsonaro de omissão no combate às queimadas no Pantanal e cobra ações

O senador capixaba Fabiano Contarato (Rede) entrou com uma representação na Procuradoria Geral da República pedindo que sejam adotadas medidas judiciais e extrajudiciais imediatas...

Prefeitura diz que fiscaliza, mas bares continuam causando aglomerações na Serra

Mesmo com os bares lotados e muitas reclamações de falta de fiscalização nesses estabelecimentos, a Prefeitura da Serra diz que realiza ações para tentar...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!