Serra PodcastTEMPO NOVO
Uma nova forma de se comunicar

Conheça a obra que vai começar nos próximos dias e transformar a Norte Sul em mão única na Serra

-

Na intenção de solucionar um dos principais gargalos vividos quase que diariamente por motoristas no trânsito da cidade, a Prefeitura da Serra vai transformar um extenso trecho da Avenida Norte Sul em mão única. As melhorias custarão aproximadamente R$ 70 milhões e serão feitas da entrada da Arcelor Mittal Tubarão, em Carapina, até o cruzamento da rodovia ES-010, em Jardim Limoeiro. A ordem de serviço deve ser assinada entre o final deste mês e início de julho.

Em entrevista ao Serra Podcast – vinculado ao Jornal TEMPO NOVO – o secretário de Infraestrutura, Halpher Luiggi, deu detalhes sobre o investimento. Destacou ainda que esse trecho que se tornará de mão única terá três faixas no sentido Vitória x Serra. O projeto prevê ainda que os motoristas que seguirem no sentido oposto terão que passar pela Avenida Lourival Nunes (paralela à Norte Sul), que também passará a ter três faixas. Cerca de 1,7 quilômetro vai receber a alteração.

De acordo com Halpher Luiggi, a ordem de serviço da obra será assinada entre o final deste mês e início de julho. “Está na bica de começar a obra, vamos começar agora. É a obra da mão única. Essa é uma demanda muito grande, não é só da Serra, porque ali em Jardim Limoeiro tem um trânsito muito forte tanto de quem vem de Vitória para a região das praias da Serra, como quem vem de outras regiões do Espírito Santo. Então, a demanda de tráfego, a solicitação de tráfego que a gente tem é muito mais alta do que a que é composta hoje”, afirmou.

Melhoria da mobilidade e combate aos alagamentos

Trecho da Norte Sul será transformado em mão única. Foto: Arquivo Tempo Novo

Ao Serra Podcast, Halpher explicou que o objetivo é criar mobilidade para os moradores, mas também haverá uma grande ação de drenagem que promete acabar com os alagamentos nesta região.

“O objetivo é resolver o sistema de drenagem, mudar a circulação do trânsito de veículos e melhorar a mobilidade sem perder a qualidade de vida. Nós temos orgulho em tocar essa obra, pois será uma obra que vai mudar a realidade do bairro e pode, inclusive, melhorar a condição de quem mora ali”, destacou.

Três faixas em cada sentido e ciclovia

Ainda segundo Luiggi, o projeto da obra passou por melhorias. “Nós já concluímos o projeto. Ele prevê, só para informar às pessoas, nós temos 3 faixas indo e voltando. O projeto também prevê ciclovia em mão dupla e calçada para passeio normal”, acrescentou.

Os custos do projeto aumentaram com as melhorias acrescentadas, mas de acordo com o Município, essas mudanças eram necessárias. Entre as melhorias, está praticamente a revitalização de todo o bairro no entorno. Também haverá uma grande intervenção de drenagem e nova pavimentação. A nova drenagem, inclusive, promete acabar com os alagamentos que ocorrem na região.

Secretário Halpher Luiggi concedeu entrevista ao Serra Podcast. Foto: Gabriel Almeida

Obra é feita por convênio com o Estado

A obra será realizada pela Prefeitura da Serra em convênio com o Governo do Estado e a empresa ganhadora da licitação, Rocco Construtora e Incorporadora, terá o prazo de 18 meses para entregar todas as modificações.

Por parte do governo de Renato Casagrande, foram investidos R$ 30 milhões e, juntamente com o investimento do governo de Sergio Vidigal (R$ 39 milhões), soma-se o valor total de R$ 69 milhões.

A ordem de serviço deve ser assinada entre o final deste mês e início de julho.

Vale ressaltar que essa obra havia sido anunciada pela gestão do ex-prefeito Audifax Barcelos (Rede) e deveria ter sido concluída há quase dois anos, mas até hoje a construção não saiu do papel.

Transtornos da obra

Projeção da gestão anterior de como seria o binário. O projeto pode ter sofrido adaptações. Foto: Divulgação

A Prefeitura da Serra espera um grande impacto das obras na vida dos moradores durante a execução e, por isso, segundo Halpher, a construção está sendo organizada e pensada numa forma amenizar os transtornos.

“Não podemos vacilar nesta execução. A obra de Jardim Limoeiro ocupa todo o bairro dentro deste período e isso vai gerar um impacto e um transtorno muito grande se a gente não fizer a execução bem planejada. Estamos trabalhando muito neste processo de como serão as fases de execução, quando vamos poder atuar a noite, quando poderemos no fim de semana, quando terá um gás maior e estender a fase; até mesmo encurtar. O prazo da obra é de 18 meses, mas queremos encurtar este prazo. Se cumprir no prazo, já está de bom tamanho”, finalizou.

OUTROS EPISÓDIOS

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!