25 C
Serra
quarta-feira, 02 de dezembro de 2020

Condomínio de casas e loteamentos contra crise imobiliária

Leia também

Serra poderá ganhar mais uma vaga na Assembleia Legislativa

O resultado da eleição 2020 impactou na composição da Assembleia Legislativa. E com as mudanças a Serra pode alcançar...

Habilitações vencidas em 2020 terão um ano a mais de validade

Está em vigor, a partir de hoje (1º), a resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que restabelece os prazos...

Matrículas abertas para novos alunos em creches da Serra

A pandemia causada pelo coronavírus fez com que todas as cidades brasileiras suspendessem as aulas presenciais. Mesmo assim, as...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Condomínio em Jardim Limoeiro financiado pelo Minha Casa, Minha Vida: lançamentos cada vez mais escassos na cidade. Foto: Arquivo TN
Condomínio em Jardim Limoeiro financiado pelo Minha Casa, Minha Vida: lançamentos cada vez mais escassos na cidade. Foto: Arquivo TN

Ayanne Karoline

Após o boom imobiliário, principalmente pelo lançamento do programa Minha Casa, Minha Vida, um cenário de estagnação pairou sobre a Serra. E a região que mais recebeu lançamentos, localizada no eixo Laranjeiras – Manguinhos, é também uma das mais atingidas pela estagnação.

Até abril do ano passado, data da pesquisa mais recente realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do ES (Sinduscon-ES), a Serra apresentava apenas um lançamento residencial, sendo 288 novas unidades.

Segundo o gerente de negócios da imobiliária Betha Espaço Serra, Alfredo Odillon, a busca por compra de apartamentos caiu muito, principalmente por imóveis de médio e alto padrão. Na Serra, esse perfil está na faixa de preço de R$ 350 mil. “Tivemos uma queda de 30% na procura por imóveis, especialmente em Manguinhos e regiões de Laranjeiras, como Colina e Morada”, disse.

Por outro lado, Alfredo enxerga a recuperação do setor nos condomínios horizontais e loteamentos.  Ele cita como exemplo o condomínio Cidade Verde, na região da Serra-sede. Lançado em janeiro deste ano, ele já conta com 40% das unidades vendidas. “Houve grande procura, principalmente pelo fato de não precisar fazer financiamento bancário e comprovar renda. A demanda por este perfil tem aumentado muito”, revela. Para o consultor imobiliário Evans Edelstein, o momento atual é dos nichos de loteamento e condomínios horizontais (casas). Ele explica que a cidade conta com áreas amplas e, mais do que outros municípios da Grande Vitória, atrai esse tipo de empreendimento.

Já o presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Estado do Espírito Santo (Ademi-ES), Sandro Carlesso, diz que mesmo com dificuldades, o momento atual do mercado na Serra é melhor do que os demais municípios da Grande Vitória. “A cidade conta com 75% de suas unidades em construção vendidas. Hoje, a atual demanda tem sido atendida com os estoques do mercado e com alguns lançamentos pontuais de projetos diferenciados nas regiões de Laranjeiras e Manguinhos”, pontua.

Devolução por falta de pagamento

Sem condições de arcar com a dívida, muitos consumidores serranos estão devolvendo os imóveis financiados às construtoras e bancos.

Os juros estão entre os vilões. “Quem comprou imóvel na planta, por exemplo, conta com uma correção no saldo devedor em torno de 12% ao ano. Ao final de três anos, a correção ultrapassa 30% e o comprador não consegue pagar”, explica o consultor imobiliário Evans Edelstein.

Na Serra, acrescenta Evans, o boom imobiliário levou muitas pessoas a comprar apartamentos sem se programar. “O cliente entra no clima das vendas e atrativos, compra, depois precisa devolver e perde parte do que pagou”, analisa.

E isso pode chegar a 20% do valor já pago, o que indenizaria a construtora por quebra de contrato, como explica o advogado imobiliário Guilherme Fonseca Almeida. “Se as construtoras exigem retenções maiores, é necessário ajuizar ação para que a rescisão se opere de forma mais justa ao consumidor”, alerta.

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Audifômetro: faltam 30 dias para o fim do governo Audifax na Serra
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!