25 C
Serra
domingo, 17 de novembro de 2019

Alagamentos e esgoto são dor de cabeça para moradores em André Carloni

Leia também

Óleo já está em Nova Almeida e Jacaraípe e ameaça também água de serranos

Aconteceu. O petróleo que contamina há mais de dois meses a costa do Nordeste chegou às praias da Serra....

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro...
Vilson Vieira Jrhttps://www.portaltemponovo.com.br%20
Morador da Serra, Vilson Vieira Junior é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Esporte.

Alagamentos nas ruas São João e Santa Terezinha, em André Carloni, em maio de 2019 (Foto: Leitor)

Quem passar pela rua São João, em André Carloni, num dia sem chuva como o de hoje, provavelmente não irá notar nenhum problema. Pessoas e veículos estarão circulando normalmente, cumprindo sua rotina diária. Mas basta entrar na residência de qualquer morador para que esse cenário mude por completo e desnude o sofrimento por que passam os moradores da região.

Eles não aguentam mais sofrer com os alagamentos e também perder seus bens materiais em dias de temporal. A água da chuva invade casas e comércio com facilidade, mesmo que a maioria delas esteja bem acima do nível da rua.

“Acordei, vi minha casa toda alagada e quase infartei. De repente, quando me deparei com toda aquela água, achei que estivesse em outro planeta”, lembra, ainda assustada, a moradora Niusa de Souza Silva.

A idosa Maria Marlene Rangel passou sufoco quando sua casa ficou inundada durante as chuvas de maio deste ano. As marcas da enchente ainda são visíveis por toda parte. “Tive que comprar móveis novos, e ainda não recuperei tudo. Fiquei sem saber o que fazer quando a casa ficou alagada com as últimas fortes chuvas. Estava sozinha e fiquei desesperada, não consegui suspender nada. Portas e móveis ficaram estragados”, relata dona Maria, ainda inconformada com a situação, pois sabe que tudo pode se repetir.

E se engana quem pensa que a rua São João, onde vivem dona Maria e dona Niusa, não tem rede de drenagem. Ela existe, mas não tem sido suficiente para evitar tanto transtorno. “Todas as ruas paralelas [que dão acesso] à rua São João são mais altas, fazendo com que toda a água da chuva desça e se acumule nessa via. E a rede pluvial não suporta tanta água, o que gera os alagamentos”, explica o presidente da associação de moradores, Josué Gomes.

Moradores protestam e cobram a construção de uma galeria. À direita, dona Maria Rangel ainda se recupera do trauma da enchente de maio. (Fotos: Vilson Vieira Jr.)

Segundo ele, esse problema pode ser resolvido com a instalação de uma galeria entre as ruas Santa Terezinha e a São João, escoando toda a água pluvial para uma área verde, mas ressalta: “No final da rua São João, na esquina com a São Tiago, não tem saída para a água da chuva, pois o proprietário de uma casa (ao lado da área verde) fez um muro, e isso serve de obstáculo ao escoamento. Então, o que deve ser feito é instalar uma galeria para canalizar toda a água pluvial para essa área verde”.

Outro problema é que as bocas de lobo da rede de drenagem instaladas nessas ruas não conseguem escoar a água quando chove forte. Os moradores afirmam que elas são muito estreitas e rasas, e carecem de limpeza e manutenção.

 

Esgoto se mistura à água pluvial

Para moradores, sistema de drenagem é incapaz de escoar água e evitar alagamentos. (Foto: Vilson Vieira Jr.)

Não bastassem inundar casas, as enxurradas vêm com esgoto, que sai de outras partes de André Carloni e Carapina. “A força da água que desce das ruas mais altas de André Carloni retira as tampas da rede de esgoto e mistura tudo, água e esgoto. Até fizeram uma rede pluvial para não misturar com o esgoto, mas parece que não deu certo”, relata o funcionário público José Renato Laranja, que mora no bairro desde 1988.

Ele e o líder comunitário afirmam que, de janeiro a março deste ano, a Cesan/Serra Ambiental realizou uma troca de tubulação para separar o esgoto da rede pluvial nas ruas São João e Santa Terezinha, mas de nada adiantou. “Além da água suja de esgoto nos alagamentos, as bocas de lobo exalam um forte mau cheiro, o que indica que o problema não está resolvido”, destaca Josué.

Imóveis fora da rede de coleta

Segundo a Cesan/Ambiental Serra, o problema dos dejetos de esgoto misturados à água da chuva se deve a alguns imóveis “que lançam o esgoto indevidamente na rede de drenagem pluvial”; por isso, a sujeira se mistura à água da enchente. Para resolver o problema, conforme a empresa, “os moradores devem interligar os imóveis às redes de coleta e tratamento de esgoto da Cesan”.

Já a respeito da intervenção feita no primeiro trimestre deste ano, as obras realizadas pela Cesan/Ambiental Serra nas ruas de André Carloni citadas na reportagem serviram para “substituir trechos antigos da rede de esgoto e não têm reflexos nos alagamentos”.

Chuvas acima do esperado em maio

Sobre os alagamentos constantes nas ruas São João e Santa Terezinha, a Prefeitura da Serra responsabilizou as chuvas ocorridas em maio, quando, segundo a Prefeitura, o município registrou o maior volume de chuva em 24h no estado, o que gerou o acúmulo de água em alguns bairros.

Disse, ainda, que a Secretaria de Obras (Seob) investe R$ 40 milhões em drenagem e pavimentação na cidade para melhor escoamento da água, e também citou os trabalhos de limpeza para desobstrução de galerias.

Comentários

Mais notícias

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de café, seu consumo diário de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro na água  e a alta...

Chuva alaga Vale e eleva risco de vazamento de rejeitos em Tubarão

Localizada na divisa entre Serra e Vitória, a planta industrial de Tubarão da Vale também não escapou dos alagamentos que atingem o ES por...

Fortes chuvas deixam 72 pessoas desalojadas no ES

Apesar de não ter causado grandes estragos na Serra, as fortes chuvas que estão caindo no Espírito Santo desde a madrugada da última quarta-feira...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!