27 C
Serra
quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Vizinhos de Vale e Arcelor na Serra sofrem com poluição

Leia também

Cheiro Moreno aposta na mistura de ritmos para ganhar público capixaba

Formada há 21 anos em Nova Viçosa, na Bahia, e atualmente sediada no Espírito Santo, a banda Cheiro Moreno...

Serranos se unem para ajudar atingidos pelas chuvas, veja como colaborar

Muitos municípios capixabas foram castigados pelas fortes chuvas que atingiram o Espírito Santo nos últimos dias. E pensando em...

Serra é a segunda cidade onde mais choveu em seis horas

Sem dar longas tréguas, a chuva continua castigando os capixabas. Na noite da última quarta-feira (22) e madrugada desta...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

A mãe Kelly Pereira e a tia Keila seguram o pequeno Miguel para aplicar bombinha por conta de bronquite asmática. Foto: Bruno Lyra
A mãe Kelly Pereira e a tia Keila seguram o pequeno Miguel para aplicar bombinha por conta da bronquite asmática. Foto: Bruno Lyra

Por Bruno Lyra

Chegou o inverno e o vento sul. E com eles veio o aumento do pó preto e gases poluentes para os bairros da Serra vizinhos ao complexo de Tubarão, onde estão as usinas da Vale e ArcelorMittal. Tanto que nesta época essas comunidades reclamam da maior incidência de problemas respiratórios, gastos com remédios e materiais de limpeza para espantar a sujeira que invade as casas.

Sebastião Camilo mora no setor Ásia em Cidade Continental. Sua casa fica a poucos metros do muro da ArcelorMittal Tubarão. “Aqui dá pó preto o ano todo, mas quando vira o vento sul, a situação fica terrível. Ainda tem um fedor muito forte, parece cheiro de enxofre. Eu tenho asma, às vezes não consigo nem respirar direito”, afirma.

Vizinhos de Sebastisão, Antônio Inácio Serra e Luciana Bonaldi confirmaram o aumento do pó preto e reclamaram muito do mau cheiro que sentem principalmente à noite. Eles acrescentaram que muitos conhecidos no bairro sofrem com os problemas respiratórios quando isso acontece.

Se para os adultos a situação é ruim, para as crianças é pior. Três delas, moradoras de Lagoa de Carapebus, estão sofrendo.  Kelly de Almeida Pereira é mãe dos pequenos Miguel e Alice. Ambos estão com bronquite asmática e precisam usar ‘bombinha’ além de outros medicamentos. “Gasto cerca de R$ 150 de remédios com cada um por mês. A primeira crise do Miguel foi na semana passada. Tive que largar o emprego por estar sempre no médico com eles e ter que controlar horário dos remédios. Ele e Alice vão tomar bombinha pelo menos até setembro, depois serão avaliados” lamenta.

Moradores do setor Ásia de Cidade Continental com a chaminé da ArcelorMittal ao fundo.  Foto: Bruno Lyra
Moradores do setor Ásia de Cidade Continental com a chaminé da ArcelorMittal ao fundo. Foto: Bruno Lyra

Mãe de Lucas Ribeiro, Maria Lucimeire também está penando com o sofrimento do filho. “A médica do meu filho fala que a alergia dele é por causa do pó preto. Tenho que levá-lo à médica no mínimo três vezes por mês. E tenho um filho especial que preciso sempre de outra pessoa para me ajudar nessas horas”, reclama.

A presidente da Associação de Moradores de Lagoa de Carapebus, Glória Torres, confirma os problemas.

Empresas negam excesso e estado promete fiscalizar

 Através de sua assessoria de imprensa, a Vale diz que suas operações estão dentro da normalidade e que adota todas as medidas de controle exigidas pelos órgãos de fiscalização.

Também através de sua assessoria, a ArcelorMittal Tubarão diz que mantém rígidos controles das suas emissões, mas pede que os moradores liguem no tel. 3348 – 2065 se perceberem anormalidades.

Responsável pela licença das empresas e pelo monitoramento da qualidade do ar, o Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema) disse que nos três primeiros meses do ano foi verificado excesso de poeira sedimentável em Laranjeiras e Jardim Limoeiro. Ressaltou que os dados dos meses seguintes ainda estão sob análise, acrescentando que ainda falta regulamentação nacional sobre o poluente, que inclui o pó preto.

O Iema disse também que não só Vale e Arcelor poluem. Trânsito, pedreiras, construção civil também sujam o ar. Quanto ao mau cheiro nos bairro vizinhos à Tubarão, o órgão promete enviar equipe para averiguar.

 

 

Comentários

Mais notícias

Serranos se unem para ajudar atingidos pelas chuvas, veja como colaborar

Muitos municípios capixabas foram castigados pelas fortes chuvas que atingiram o Espírito Santo nos últimos dias. E pensando em ajudar as famílias afetadas, algumas...

Serra é a segunda cidade onde mais choveu em seis horas

Sem dar longas tréguas, a chuva continua castigando os capixabas. Na noite da última quarta-feira (22) e madrugada desta quinta-feira (23), a Serra foi...

Emprego: 73 vagas de trabalho abertas na Serra

A quinta-feira (23) está recheada de oportunidades de trabalho. No Sine da Serra, estão abertas 73 vagas de emprego para diversos cargos. As chances...

Uma tonelada de ração para animais vítimas das chuvas no interior

Uma tonelada de ração será enviada para os animais dos municípios do interior do estado que foram atingidos pelas fortes chuvas dos últimos dias....

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem