• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.690 casos
  • 967 mortes
  • 48.401 curados
25 C
Serra
terça-feira, 13 abril - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.690 casos
  • 967 mortes
  • 48.401 curados

Vidigal diz que Audifax não investiu todo o dinheiro vindo de Bolsonaro para enfrentar coronavírus

Leia também

CPI dos Maus-Tratos irá ouvir homem suspeito de golpear cadela com facão na Serra

O homem suspeito de dar golpes de facão na cabeça de uma cadela na Serra será ouvido pela CPI...

Em apenas 24 horas, Serra perde mais 11 moradores para o coronavírus e atinge 967 óbitos

Um dado estarrecedor do pico da pandemia causada pelo coronavírus – em maio de 2020– voltou a assombrar os...

Serra começa a vacinar policiais e guardas municipais contra o coronavírus nesta quarta

A Prefeitura da Serra, através da Secretaria de Saúde da Serra (Sesa), iniciará a vacinação dos trabalhadores da força...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Vidigal concedeu entrevista ao Tempo Novo. Foto: Ana Paula Bonelli | Jornal Tempo Novo

O TEMPO NOVO entrevistou o prefeito eleito da Serra, Sérgio Vidigal (PDT). Durante a conversa, que durou aproximadamente 45 minutos, ele apresentou suas ideias e projetos para os próximos quatro anos da Prefeitura da Serra. A reportagem decidiu fatiar a entrevista em várias matérias para facilitar a visualização do conteúdo ao leitor. Nesta, trataremos sobre Vidigal ter afirmado que o atual chefe do Executivo, Audifax Barcelos (Rede), não investiu todo o dinheiro repassado pelo Governo Bolsonaro para enfrentamento à Covid-19. Ele também destacou que pretende realizar uma testagem em massa na população.

De acordo com Vidigal, o Município – que é um dos mais afetados pela pandemia no Espírito Santo – não conseguiu investir todos os repasses enviados pelo Ministério da Saúde para combater a doença na cidade. “Eu não posso te informar o total, mas a Prefeitura da Serra não conseguiu utilizar o recurso que foi enviado pelo Governo Federal para a Covid-19. A cidade poderia ter acelerado isso, até para disponibilizar testes”, afirmou o prefeito eleito.

Ainda de acordo com Vidigal, se tivesse tido mais testes, haveria um menor número de mortes, que hoje chegam a 608 somente na Serra. “Se tivesse uma disponibilidade de testes em maior quantidade nós teríamos reduzido o gasto com o Auxílio Emergencial, teria reduzido o número de pessoas que foram a óbitos. Os testes são fundamentais neste momento e haverá um aumento da testagem”, destacou.

O TEMPO NOVO procurou a Prefeitura da Serra para confirmar as informações sobre o não uso do dinheiro recebido pelo Governo Federal, mas a Secretaria de Comunicação não quis se manifestar sobre o assunto. No entanto, uma matéria publicada pelo portal de notícias A Gazeta, mostra que, no total, o Município deve receber R$ 62 milhões de ajuda do Governo Federal somente neste ano para uso livre.

Para a área da saúde, esse valor chega aos R$ 7 milhões. Não é possível afirmar quanto foi gasto pela administração de Audifax, já que o envio do dado foi negado pela assessoria de imprensa. O espaço está aberto e o texto pode ser atualizado, caso a prefeitura decida se pronunciar.

Vidigal diz que lockdown é equívoco e prevê vacina na Serra até março de 2021

Ainda de acordo com Vidigal, a medida de fechamento dos estabelecimentos comerciais por um longo período, além da ideia de um possível lockdown foi um equívoco. O prefeito eleito ainda entende que os comerciantes menores foram os que mais sofreram, enquanto grandes setores – como o supermercadista – continuaram arrecadando recursos. Entretanto, ele salientou que os protocolos de segurança são e continuarão sendo necessários.

“Nós iremos seguir os nossos protocolos. Acho que é um equivoco esse lockdown que foi proposto lá atrás. Porque você deixa supermercado funcionando corretamente com uma quantidade imensa de pessoas e de repente você manda fechar a loja do microempreendedor. E essa foi a população que mais sofreu. O setor de bebida e alimentação não sofreu. (…) Acho que houve muito excesso. Não só aqui no estado, mas de forma geral em relação a pandemia.”, afirmou Vidigal durante a entrevista.

Sobre a vacinação contra o coronavírus, ele confirma que isso irá ajudar na redução de óbitos, infectados e nos impactos gerais da pandemia. Diz ainda acreditar que doses começarão a ser distribuídas à população até março de 2021. “Eu creio que a vacina estará disponível no primeiro trimestre deste ano. Eu acho que a vacina nos ajudará muito”, destacou.

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!