23.6 C
Serra
terça-feira, 02 de junho de 2020

Vidigal defende emprego contra crise da Previdência e que reforma não penalize trabalhador

Leia também

Nove de cada dez leitos para covid já estão ocupados na Grande Vitória

A Região Metropolitana, da qual a Serra, faz parte, esta com ocupação de leitos de UTI, segundo dados do...

Casagrande anuncia novos leitos e não descarta medidas mais duras de distanciamento social

Na noite desta segunda-feira (1) o governador do Estado, Renato Casagrande (PSB), anunciou que nas últimas horas o Governo abriu...

Obra emergencial para mar não derrubar poste gera polêmica em Manguinhos

Na última semana a Prefeitura da Serra teve que fazer uma contenção emergencial para que um poste não fosse...
Vilson Vieira Jrhttps://www.portaltemponovo.com.br%20
Morador da Serra, Vilson Vieira Junior é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Esporte.

Vidigal é membro suplente da Comissão de Constituição e Justiça, que analisa proposta da Reforma da Previdência (Foto: Divulgação)

O deputado federal Sérgio Vidigal (PDT-ES) manifestou críticas à Reforma da Previdência, durante sessão da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC) na última quarta (17), na qual é membro suplente. O parlamentar avalia que todos os regimes de previdência no país estão quebrados e que a solução para o setor seria o Brasil voltar a gerar empregos: “Até 2015, a Previdência brasileira, o regime geral, era superavitário, porque o Brasil vivia o pleno emprego. É só o país voltar a gerar emprego que nós teremos uma base maior de contribuição e teremos resolvido o problema da Previdência”.

Vidigal cita, ainda, que o argumento principal da proposta é acabar com privilégios, mas diz que quando a Câmara vai retirar privilégios, a Casa enche, e quando é para retirar os direitos do trabalhador, a realidade é outra. “Os privilegiados não estão aqui, porque eles não serão penalizados com a Reforma da Previdência. Quem será penalizado é aquele que recebe hoje, no máximo, dois salários mínimos”, argumentou. O pedetista também parabenizou o partido (PDT), que apresentou voto em separado ao texto.

O modelo proposto pelo governo Bolsonaro gera uma economia de R$ 1 trilhão, mas, segundo Vidigal, a conta não fecha. “Eu não conheço, em lugar nenhum, onde não se faz previamente o cálculo atuarial”.

Por ser médico, Vidigal diz que não terá dificuldades em se aposentar aos 65 anos de idade, ao contrário dos demais trabalhadores, como gari. “É impossível ele poder trabalhar até os 65 anos. É assim com as outras profissões”. O deputado cobra do governo que retire recursos e privilégios, segundo ele, dos lugares certos. “Quase 40% do Orçamento da União é para pagar o quê? Dívida pública, amortização e juros da dívida. Vamos fazer auditagem da dívida. É um trilhão e cem bilhões de reais por ano. Estamos aqui discutindo a economia de R$ 1 trilhão.”

Vidigal ainda disse que o futuro da população depende de como os parlamentares vão votar a reforma. “Eu quero aqui dizer o voto do PDT. Nós somos a favor da inconstitucionalidade desse projeto, porque ele fere a cláusula pétrea e nós vamos também lutar: ou se muda a reforma ou não se terá reforma neste país”, defendeu.

Alguns pontos da Reforma da Previdência

Regra Geral do Regime Geral

Aposentadoria por idade: 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com no mínimo 20 anos de contribuição.

Aposentadoria por tempo de contribuição: acaba.

Alíquotas de contribuição: entre 7,5% (para quem ganha até um salário mínimo) e 11,68% (para quem ganha de R$ 3 mil a R$ 5.839,45, o teto do INSS).

Regra Geral para o Regime Próprio (Servidores Civis)

Aposentadoria por idade e tempo de contribuição: 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com no mínimo 25 anos de contribuição, 10 anos serviço público e 5 no cargo.

Alíquota de contribuição: será definida em lei complementar. Até lá, serão aplicadas alíquotas progressivas, que resultarão em contribuição efetiva em torno de 16% para quem ganha acima do teto de R$ 39,2 mil.

Aposentadoria Rural

Será exigido tempo de contribuição de pelo menos de 15 anos para ambos os sexos, que aumenta até atingir 20 anos em 2030.

Regra para Professores

No setor privado, a idade mínima de 60 anos passa a valer para homens e mulheres, e o tempo de contribuição mínima passa a ser de 30 anos. No setor público, as regras são as mesmas, mas exigem ao menos 10 anos de serviço público e 5 no cargo.

Comentários

Mais notícias

Casagrande anuncia novos leitos e não descarta medidas mais duras de distanciamento social

Na noite desta segunda-feira (1) o governador do Estado, Renato Casagrande (PSB), anunciou que nas últimas horas o Governo abriu leitos de UTI e enfermaria...

Obra emergencial para mar não derrubar poste gera polêmica em Manguinhos

Na última semana a Prefeitura da Serra teve que fazer uma contenção emergencial para que um poste não fosse derrubado pelo mar, que está...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!