19 C
Serra
domingo, 31 de Maio de 2020

Vereadores derrubam projeto que iria aumentar criação de empregos na Serra, diz prefeitura

Leia também

Servidores da Serra podem realizar perícia médica por meio da internet

Enquanto os serviços seguem limitados em função da pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura da Serra está permitindo que...

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de...
Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Projeto, de autoria de Audifax, visava atração de investimentos para a Serra. Foto: Gabriel Almeida / Arquivo TN

Durante a sessão de quarta-feira (11), vereadores da Serra rejeitaram o projeto de n° 260, de autoria do prefeito Audifax Barcelos (Rede), que estava tramitando desde 2019. O projeto alterava a Lei Municipal nº 3.820/2012 – ela contém o Plano Diretor Municipal (PDM) da Serra. A Prefeitura reagiu à derrubada e disse que a ação dos vereadores vai acarretar a dificuldade de criação de empregos no município.

O projeto foi derrubado por 15 votos contra e seis favoráveis. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico, José Eduardo Azeredo, o projeto “era bom para a Serra” e disse que não entende as motivações pelas quais os parlamentares derrubaram a proposta. Disse, também, que a Procuradoria vai estudar qual procedimento jurídico irá adotar.

“O projeto das adequações do PDM tinha o objetivo de melhorar o ambiente de negócios da Serra para os próximos anos por meio da simplificação da aprovação de projetos para novos empreendimentos e a melhora da segurança jurídica para empresas e o empreendedor. O objetivo final é melhorar a competitividade do município e gerar empregos e renda para a população”, disse José Eduardo.

Ele explica que o atual cenário econômico é de apreensão e que a não aprovação das adequações no PDM pode gerar ainda mais incertezas.

“A não aprovação do projeto tem um efeito negativo na Serra, vai dificultar a geração de empregos e criar uma defasagem. Não temos como medir, mas quanto melhor o ambiente de negócios, mais haverá atração de investimentos e consequentemente empregos e renda. Especialmente agora, com queda da atividade econômica e dos preços do petróleo; tem também essa questão do coronavírus, que está impedindo a economia de reagir”.

O secretário explicou que para algumas atividades o projeto reduziria à metade o tempo de aprovação de projetos. “A proposta passou por audiência pública, incorporou sugestões da população e de empreendedores. Temos convicção que era um bom projeto para a cidade”, completou.

Vereadores dizem que faltou diálogo com secretários

A reportagem procurou alguns vereadores que votaram contra o projeto. De acordo com eles, o projeto trazia “pegadinhas” e mudava o zoneamento da Serra, em vez de propor apenas ajustes.

“Durante as audiências públicas, não foram apresentadas as mudanças de zoneamento. O projeto diz que seriam feitos ajustes, mas na prática estavam mudando o zoneamento do município em várias áreas. É preciso mudar, mas não a toque de caixa, sem discutir com a sociedade. Toda mudança tem que apresentar o mapa de zoneamento, o que não constava no PL. O mais agravante é que o PL estava dando superpoderes aos secretários e ao conselho da cidade. Assim, não precisaria mais de uma Câmara na cidade”, disse o relator da Comissão de Finanças da Câmara, Pastor Aílton (PSC).

Já Basílio da Saúde disse que não houve diálogo com a Prefeitura. “Por mim está normal, foi uma matéria que a maioria dos vereadores (15) entendeu que não estaria contemplando toda a cidade. Foi solicitada a retirada do PL para uma melhor discussão; como não houve diálogo com as secretarias responsáveis, os pares resolveram optar pela rejeição total do projeto”.

O que mudaria?

A matéria contém algumas alterações sobre o uso e a ocupação do solo. O plano é atualizado a cada dez anos e a previsão seria para 2022. Entretanto, a Prefeitura demandou mudanças com o objetivo de “desburocratizar” algumas atividades e regras ambientais, incluindo-as em classificações com mais facilidade de aprovação de projetos.

De acordo com a secretária Mirian Soprani, o motivo das adequações era facilitar a implantação de novos empreendimentos. “Vamos permitir que algumas atividades sejam implantadas com menos burocracia. Vamos tirar da classificação ‘tolerada’ para ‘permitida’, que vai significar mais facilidade e rapidez para quem quer empreender”.

Mirian ainda explica que adequou a legislação à do presidente Jair Bolsonaro, que prevê alteração da classificação de atividades econômicas. “Também fizemos, em consonância com a Lei de Liberdade Econômica, enquadramentos dos nossos grupos de atividades pelos códigos nacionais, os Cnaes (Classificação Nacional de Atividades Econômicas), também para que a gente tenha mais objetividade e facilidade na leitura do Plano Diretor, sem dúvidas e questionamentos; inserimos esses códigos nas nossas tabelas”, disse Mirian.

Comentários

Mais notícias

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando e oferecendo as vagas de...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de máscaras e kits de limpeza...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!