Vacina nacional versus importada: saiba a diferença entre as duas | Portal Tempo Novo

Serra, 18 de julho de 2019

Portal Tempo Novo - O Portal da Serra, ES

Amar é o Bicho

por Ana Paula Bonelli

Serra, 25 de junho de 2019 às 11:04

Vacina nacional versus importada: saiba a diferença entre as duas

Por Patricia Ribeiro de Oliveira, médica veterinária da Climev Laranjeiras


As vacinas nacionais são de compra livre, ou seja, qualquer pessoa (mesmo sem ser médico veterinário) pode comprar e aplicar no seu cãozinho. foto: Divulgação

Existe sempre esta dúvida pelo tutor na hora de vacinar seu cãozinho, afinal a vacina nacional custa menos que a importada aplicada pelos profissionais médicos veterinários, e muitas vezes o orçamento anda curto para investir um valor maior, e dizem que ambas são a mesma coisa.

Mas saiba que existem sim grandes diferenças em relação as vacinas.

Não vamos debater fabricação de ambas pois o assunto é muito técnico, vamos explicar a parte principal que é conservação e aplicação.

As vacinas nacionais são de compra livre, ou seja, qualquer pessoa (mesmo sem ser médico veterinário) pode comprar e aplicar no seu cãozinho, isso é péssimo para a qualidade da vacina pois por serem produtos biológicos precisam ficar devidamente conservados em geladeira própria com temperatura de 2 a 8 graus; senão perdem efeito.

Além disso, não se pode ter outros produtos na geladeira para não “contaminar” a vacina e a geladeira não pode ser aberta e fechada constantemente pois isso modifica a temperatura interna. Consultórios, Clínicas e Hospitais Veterinários tem uma geladeira própria apenas para as vacinas, termômetros próprios, relatórios de observação da temperatura interna, produtos que mantem a temperatura correta no interior da geladeira caso haja alguma queda de energia, e vários outros cuidados (aprendemos isso na faculdade de medicina veterinária).

A casa de ração tem? Outro ponto chave é a distribuição, as vacinas importadas obrigatoriamente saem das fábricas para as distribuidoras com esse mesmo controle de temperatura além de registro rigoroso de cada lote, chegam nas distribuidoras que também obrigatoriamente tem que seguir esse controle e chegam nos estabelecimentos de saúde médica veterinária com garantia deste controle. Caso algum lote não mantenha seu aspecto correto é devolvido à fabrica. As vacinas nacionais mantêm esse controle? Sabe se que a mão de obra que encarece um produto, e é necessário muita mão de obra para garantir a qualidade da vacina importada. 

Outro fator importante para não dizer o mais importante é que as vacinas importadas são aplicadas por médicos veterinários que carimbam e assinam a vacinação, ou seja, eles atestam que o animal estava saudável e apto para a vacina significando que a vacina fará o efeito desejável. Tanto que na hora da administração da vacina é feito perguntas para saber se o animal está bem, realizado aferição de temperatura, olha-se mucosas, pele, vê se estado de hidratação e outros detalhes que apenas o médico veterinário saberá identificar se seu animalzinho possui alguma doença incubada ou não.

E vacinar peludo doente é deixa-lo mais doente ainda e levá-lo a um possível óbito. Outro fator é o local da aplicação da vacina, o médico veterinário tem conhecimento para saber o local da aplicação da vacina que será melhor absorvida sem causar reações ou incomodo ao animal.

Vacina não é chegar e simplesmente aplicar que seu peludo não desenvolverá as terríveis doenças parvovirose, cinomose, leptospirose, etc, etc.  Para uma garantia maior de eficácia invista um pouco mais e proteja melhor seu peludo. Afinal o custo da vacina é infinitamente menor que o tratamento da doença que a aplicação pode causar.

Por Patricia Ribeiro de Oliveira, médica veterinária da Climev Laranjeiras




O que você acha ?

Como você avalia os 6 primeiros meses de Contarato no Senado?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Veja também

Portal Tempo Novo

Rua Euclides da Cunha, 394 - sl 103 e 104 - Laranjeiras, Serra, ES

CEP:29165-310 - Tel: 27 3328-5765

Todos os direitos reservados ao Jornal Tempo Novo © Desenvolvido por