24.8 C
Serra
domingo, 23 de fevereiro de 2020

Opinião do TN | O tempo agora é tragédia

Leia também

Edson Vargas e Cabo Porto: duas perdas trágicas para a política e o município da Serra

Por Eci Scardini: Dois jovens políticos deram adeus de forma trágica e precoce dessa vida: Edson Vargas e Cabo Porto. Outras...

Lideranças políticas lamentam morte de Cabo Porto e família

  Luto Oficial de 3 dias no Espírito Santo e na Câmara da Serra. Os capixabas foram surpreendidos neste sábado...

Corpo do vereador Cabo Porto será velado na Câmara da Serra a partir das 9h30 deste domingo

      A Câmara da Serra foi o local escolhido pela família para o velório do vereador Cabo Porto (PSB), sua...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Em Iconha, a chuva castigou com força os moradores. Foto: Agência Brasil

É tempo de extremos no clima. E de medo. Ora da seca aguda, ora da chuva catastrófica. Nesta semana, o pavor de novas tragédias em decorrência de tempestades voltou a rondar a Serra e outros municípios capixabas.

Na Serra, entre 2015 e 2016, a seca chegou a deixar a cidade sem água até durante o rodízio. Incêndios na turfa pioraram a já castigada saúde respiratória de uma população exposta há décadas ao pó preto da Vale e agregadas. Em 2014, no dia 30 de outubro, uma superchuva gerou colapso na cidade. Em dezembro de 2013 também.

É ignorância atribuir desastres climáticos somente à natureza. A mão humana tem parcela importante nessa conta. Primeiro – mas não necessariamente nesta ordem –, pelas mudanças climáticas globais provocadas pelas atividades humanas.

Segundo, pela forma como cresceram as cidades atuais, onde a ganância imobiliária ‘empurrou’ ocupações para beiras de rios e várzeas sujeitas a inundações, ou para encostas que, cedo ou tarde, deslizarão.

Cidades que também pavimentaram solos com asfalto e concreto. Agora, poucas horas de chuva forte vira torrente devastadora a carregar pontes, casas e carros como se estes fossem de brinquedo. Nas áreas rurais, florestas, cerrados e campos deram lugar a pastos e/ou monoculturas que pouco retêm água de temporais.

Trágico o que aconteceu na última sexta-feira (17) em Iconha, Rio Novo, Vargem Alta e Alfredo Chaves. Que essas cidades possam se reerguer. Mas se reconstruírem os pontos mais afetados no mesmo lugar, pode ser questão de tempo uma nova devastação.

É uma lição que vale para a Serra, para outras cidades do país e do mundo: o planeta está mais hostil e boa parte da culpa é humana. Urge repensar não só os assentamentos de pessoas, mas a lógica econômica. E isso passa pela revisão do padrão de consumo, que só deve avançar para quem não tem o básico. Para uma presença humana mais harmônica com a Terra, tecnologias já existem e devem seguir evoluindo. A dúvida é se serão criadas condições políticas para tal.

 

Comentários

Mais notícias

Lideranças políticas lamentam morte de Cabo Porto e família

  Luto Oficial de 3 dias no Espírito Santo e na Câmara da Serra. Os capixabas foram surpreendidos neste sábado (22) com a notícia da...

Corpo do vereador Cabo Porto será velado na Câmara da Serra a partir das 9h30 deste domingo

      A Câmara da Serra foi o local escolhido pela família para o velório do vereador Cabo Porto (PSB), sua esposa e filho, mortos em...

Artigo de opinião TN | Morte de Cabo Porto e família é uma tragédia para a Serra

A morte do vereador Cabo Porto, em um acidente de trânsito no interior do estado, mexeu muito com a cidade. Isso porque o parlamentar...

Cabo Porto, esposa e filho morrem em acidente no interior do Estado

O vereador da Serra, Cabo Porto, morreu na tarde deste sábado (22) num acidente na rodovia BR 101, na zona rural, de Linhares. O...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem