24 C
Serra
quinta-feira, 09 de julho de 2020

Tempo de democracia | Leia o editorial do TN

Leia também

Estado soma 467 casos de Covid-10 em instituições de idosos

Dados do último levantamento feito pelo Centro de Apoio Cível e Defesa da Cidadania (CACC) do Ministério Público do...

Articulação de Amaro traz R$ 1.5 milhão extra para enfrentar coronavírus na Serra

O combate à pandemia do novo coronavírus nos municípios capixabas vai receber reforço com o envio de recursos extras...

CPI resgata cavalo a beira da morte em Cariacica

O resgate aconteceu na quarta-feira (8). Foto: Divulgação Na noite da última quarta-feira, dia 8, a CPI dos Maus-Tratos Contra...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

O jornal Tempo Novo nasceu na virada de 1983 para 1984 pelas mãos de um jovem chamado Eci Scardini, mais conhecido como Gerereu. Não obstante ter sido criado – e ser assim até hoje – como um veículo regional dedicado ao município da Serra, o nome escolhido por Gerereu alude ao tempo novo que chegava ao Brasil. Eram os últimos atos da ditadura militar e aurora da redemocratização, que chegaria em 1985 e desdobraria na eleição presidencial de 1989.

Ontem (03) o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seu séquito elevaram ainda mais o tom de uma escalada de agressões à democracia, pedindo instauração de um regime autocrático com fechamento do Congresso e STF. Uma afronta à Constituição de 1988, conquista que custou muito sangue, suor e lágrimas de brasileiros.

O comportamento de Bolsonaro é indefensável e inaceitável. A violência de seus seguidores à imprensa – ontem as vítimas foram profissionais do Estadão – é emblemática e escancara o viés autoritário do bolsonarismo. Já deu ruim. Um governo como esse em plena pandemia só piora a crise humanitária que já seria grave mesmo que tivéssemos uma gestão sensata no comando do Planalto.

Vale o adágio: ‘Não há nada tão ruim que não possa piorar’. Sim, pode ficar muito pior se Bolsonaro e seu séquito não forem imediatamente contidos. E não vão resolver notas públicas ou declarações condenando as atitudes do presidente. É preciso atitude. E se tiver que ser um longo e doloroso processo de impeachment, que seja. Esses 16 meses de gestão Bolsonaro já provaram que o país consegue andar, minimamente, sem uma presidência da república funcional.

Cabe também as Forças Armadas um posicionamento público, se avalizam o desejo autoritário do presidente ou se permanecem leais aos preceitos da Constituição. E para ontem.

Líder conservador britânico e um dos artífices da derrocada do nazi-fascismo na Europa, Winston Churchil, disse que “a democracia é pior dos regimes políticos, mas não há nenhum sistema melhor que ela”. Sem a democracia, não há liberdade política, de expressão, artística, de imprensa.

É com a democracia que temos de enfrentar a pandemia. Sigamos com ela para engendrar o pós pandemia. É por dentro do regime democrático que se deve buscar caminhos efetivos para dissolver a obscena desigualdade social do Brasil, que talvez nunca tenha ficado tão clara quanto agora. Sempre deve ser tempo de democracia.

Comentários

Mais notícias

Articulação de Amaro traz R$ 1.5 milhão extra para enfrentar coronavírus na Serra

O combate à pandemia do novo coronavírus nos municípios capixabas vai receber reforço com o envio de recursos extras de R$ 9 milhões para...

CPI resgata cavalo a beira da morte em Cariacica

O resgate aconteceu na quarta-feira (8). Foto: Divulgação Na noite da última quarta-feira, dia 8, a CPI dos Maus-Tratos Contra os Animais da Assembleia Legislativa,...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!