16.9 C
Serra
terça-feira, 07 de julho de 2020

Serra é novamente condenada pelo sumiço de cadáver em cemitério

Leia também

Polícia Rodoviária apreende 19 pássaros silvestres em veículo na BR 101

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 19 pássaros silvestres na noite desta segunda-feira (06), no municipio de Serra/ES. As...

Bairros da Serra terão catálogo para consumidor comprar do comércio local

Três comunidades da Serra estão se articulando ajudar os comerciantes locais a manterem seus negócios de pé durante a...

Bairro de Jacaraípe é a comunidade com mais mortes por coronavírus na Serra

O bairro Das Laranjeiras, na região de Jacaraípe, é a comunidade com o maior número de moradores mortos pelo...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Cemitério de Carapina, onde também houve violação de túmulo sob responsabilidade da Prefeitura. Foto: Arquivo TN
Cemitério de Carapina, onde também houve violação de túmulo sob responsabilidade da Prefeitura. Foto: Arquivo TN

Pela terceira vez em três meses, a Prefeitura da Serra foi condenada ao pagamento de indenização por danos morais, pelo sumiço de restos mortais em cemitérios municipais. Seguindo o exemplo das outras sentenças, a punição é assinada pela juíza Telmelita Guimarães Alves, da Vara da Fazenda Pública Municipal. Ela determinou que os cinco filhos da mulher que teve seu túmulo violado em 2009 sejam indenizados em R$ 25 mil, sendo R$ 5 mil para cada um, a título de danos morais, após o sumiço de cadáver.

O fato que motivou a ação aconteceu no Dia de Finados daquele ano, quando os filhos da falecida foram até o cemitério São Domingos Leal prestar homenagens à mãe. Lá, foram informados que os restos mortais da mulher não estavam mais no jazigo de propriedade da família. A administração do local argumentou que a família estaria inadimplente e que não seria possível localizar o corpo da mãe, pois o mesmo estaria misturado aos de outros mortos.

Entretanto, os filhos da falecida informaram estar em dia com as taxas referentes à manutenção do jazigo.

Em seu despacho, a magistrada afirmou não haver dúvidas quanto ao envolvimento dos responsáveis pelo cemitério pela remoção dos restos mortais da mulher do jazigo onde se encontrava. A juíza avaliou o dano moral como inquestionável, atingindo, inclusive, a honra dos requerentes.

Outros casos

Entre os meses de maio e junho, o município da Serra já havia sido condenado por outros dois supostos sumiços de restos mortais de jazigos familiares. Em maio, o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJ-ES) divulgou a primeira condenação, em R$ 25 mil. Em junho, familiares de outro falecido foram indenizados em R$ 10 mil.

A Secretaria de Comunicação da Prefeitura da Serra disse que o município se solidariza com as famílias e se compromete em apurar caso a caso, para que seja dada uma resposta a contento às pessoas que perderam seus entes queridos, inclusive abrindo inquérito administrativo, se for o caso. A apuração exige nosso empenho e esforço, tendo em vista que os casos já analisados pela Justiça em primeira instância são de anos anteriores, dos anos de 2007, 2009 e 2011.

Comentários

Mais notícias

Bairros da Serra terão catálogo para consumidor comprar do comércio local

Três comunidades da Serra estão se articulando ajudar os comerciantes locais a manterem seus negócios de pé durante a pandemia da covid-19. Eurico Salles,...

Bairro de Jacaraípe é a comunidade com mais mortes por coronavírus na Serra

O bairro Das Laranjeiras, na região de Jacaraípe, é a comunidade com o maior número de moradores mortos pelo coronavírus na Serra. De acordo...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!