21.8 C
Serra
quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Segundo ato da tragédia anunciada

Leia também

Flamengo goleia Grêmio e está na final da Copa Libertadores

O Flamengo fez história nesta quarta (23) no Maracanã ao derrotar o Grêmio por 5 a 0 e se...

Mundial Sub-17: seleções seguem treinando na Serra | Veja vídeo

A Serra está sendo o Centro de Treinamento (CT’s) de doze seleções que disputarão o Mundial Sub-17 da Fifa....

Governo Federal “desmonta” assistência social e pobreza avança, denuncia secretário

Parte II, Bloco Assistência Social Veja a Parte I da entrevista: Eleição 2020 A frente da Secretária de Trabalho, Assistência e...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Pela segunda vez em menos de um ano, a Serra é pega de surpresa com chuvas cujos volumes de água superaram as mais pessimistas previsões. Só entre o final da tarde até a meia noite da última quinta(30), mais de 300 milímetros de água caíram nas regiões do Civit I e II, Laranjeiras e entorno do Complexo de Tubarão. Em Novo Horizonte, foram registrados assustadores 385 milímetros.

Esse era o volume de chuva esperado para outubro e novembro, dois dos mais chuvosos meses do ano. O que se viu foi novamente catástrofe em cima de catástrofe. Nas chuvas dos últimos dezembro e janeiro, as imagens que ficaram marcadas foram o total alagamento dos polos industriais e logísticos na Rodovia do Contorno, na BR 101; a Lagoa Capuba que ameaçava romper e varrer centenas de casas no bairro Enseada de Jacaraípe; a rodovia ES 010 destruída na altura desse mesmo bairro e o transbordo das lagoas Jacunem e Juara que alagaram Jacaraípe.

Nessa chuva de sete horas que ocorreu na semana passada, as imagens mais desoladoras foram a destruição do Tobogã entre Laranjeiras e Chácara Parreiral, que foi levado pelas águas juntamente com uma casa, uma oficina mecânica e seis veículos; o muro de um condomínio em Jardim Limoeiro que caiu em cima do síndico, tirando-lhe a vida; e a situação dramática que viveram e vivem dezenas de famílias nas margens da Lagoa Pau Brasil, em Hélio Ferraz. O mesmo ocorreu em Taquara, Novo Horizonte e Guaraciaba.

As chuvas de dezembro e janeiro foram mais longas, atingiram um número maior de famílias, mas tudo foi perfeitamente compreendido pela população. Os estragos e os prejuízos sofridos foram creditados à natureza; e ao poder público coube fazer a sua parte, sanando pontos de retenção de água e limpando rios e canais.

As chuvas da fatídica quinta-feira foram mais rápidas e afetaram a parte mais urbanizada da cidade, onde o solo está mais pavimentado e rios e canais mais degradados.

Ao prefeito Audifax, ficou o desgaste com as manifestações dos atingidos, caso dos moradores de José de Anchieta e Hélio Ferraz.

Parcimônia que atrasa a cidade

Se for olhar a parcimônia do poder público para com o uso e ocupação do solo, é fácil de prever que dramas como esses irão acontecer sempre. E devem ser mais frequentes e piores, segundo o relatório da ONU para as mudanças climáticas divulgado na última semana.

As autoridades são burocráticas com as empresas que estão e que querem se instalar na Serra e frouxas com as invasões e ocupações irregulares, principalmente as que ocorrem em áreas de preservação ambiental e em áreas de riscos.

Todos os prefeitos da Serra, desde o falecido Aldary Nunes, fizeram vistas grossas para as invasões. Hoje só não vingam mais as grandes invasões porque os terrenos valorizaram e os donos correm atrás da reintegração; mas invasões de pequenas áreas, próximas das já existentes e dispersas por todo o município, seguem acontecendo.

Como nenhum agente público enfrenta esse problema de frente por conta das reações contrárias e pela comoção social que causaria, um barraco a mais, um barraco a menos é visto como inofensivo, só que ao final do ano são centenas deles levantados e espalhados por vários pontos do município e as consequências são vistas nesses momentos de chuvas torrenciais.

Os prejuízos são compartilhados entre as famílias que perdem tudo, com o poder público que gasta recursos com paliativos e com o cidadão que paga seus impostos e não os vê retornar adequadamente em qualidade de vida.

Mais notícias

Flamengo goleia Grêmio e está na final da Copa Libertadores

O Flamengo fez história nesta quarta (23) no Maracanã ao derrotar o Grêmio por 5 a 0 e se...
video

Mundial Sub-17: seleções seguem treinando na Serra | Veja vídeo

A Serra está sendo o Centro de Treinamento (CT’s) de doze seleções que disputarão o Mundial Sub-17 da Fifa. Quatro campos da cidade serão...

Governo Federal “desmonta” assistência social e pobreza avança, denuncia secretário

Parte II, Bloco Assistência Social Veja a Parte I da entrevista: Eleição 2020 A frente da Secretária de Trabalho, Assistência e Desenvolvimento Social (Setades), Bruno Lamas...

Banestes diz que não vai fechar agência em Nova Almeida, mas comunidade teme desinvestimento

Já foram afixadas placas na Agência do Banestes em Nova Almeida, informando aos clientes que a unidade vai sofrer mudanças. Na prática o banco...

Prefeitura faz demolição de casas em invasão na Serra

A invasão que persisti em continuar, na área de proteção ambiental, na Avenida Norte Sul, em Colina de Laranjeiras, sofreu mais um duro golpe...

Você também pode ler

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!