22.7 C
Serra
sexta-feira, 03 de julho de 2020

Rio Jacaraípe: Impasse sobre a dragagem está perto do fim

Leia também

Viviane Miranda fará segunda live solidária no dia 12 de julho

A cantora Viviane Miranda, moradora de Feu Rosa, na Serra, fará sua segunda live solidária no próximo dia 12...

Como fica o direito da gestante a um acompanhante no momento do parto durante a pandemia

O direito a um acompanhante durante o parto é garantido pela lei federal nº 11.108 de 2005 (lei do...

Serra ultrapassa oito mil casos confirmados de coronavírus e atinge 320 mortes

Seguindo na liderança de casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, a Serra já ultrapassou a triste marca de...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

A Prefeitura garante que vai recuperar o manguezal e as matas ciliares que foram devastadas
A Prefeitura garante que vai recuperar o manguezal e as matas ciliares que foram devastadas

O impasse sobre a retomada das obras de dragagem do rio Jacaraípe podem estar perto do fim. É que a prefeitura da Serra, a responsável pela dragagem, afirma ter começado a atender as exigências do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan), que embargou a atividade há dois meses.

Embora não tenha precisado a data da retomada do serviço, a assessoria de comunicação da prefeitura informou que o município espera concluir o serviço até o fim de 2015. Em nota à reportagem, acrescentou que já está fazendo os estudos arqueológicos exigidos pelo Iphan para que a dragagem não destrua os sambaquis – restos de conchas e outros utensílios usados por antigas populações indígenas – existentes ao longo do curso do rio, principalmente nas proximidades da lagoa Juara.

A assessoria acrescentou que, por conta disso, a Iphan deverá liberar a dragagem por trechos. E isto deverá acontecer gradualmente. O arqueólogo do Iphan, Yuri Batalha, disse como está a situação.

“A Prefeitura já nos apresentou o projeto que prevê pesquisa arqueológica sobre a região. O trabalho será liderado pela arqueóloga Cristiane Machado. O relatório final desse trabalho vai apontar a necessidade de proteção dos recursos naturais existentes. A obra vai acontecer. O Iphan só tomou a decisão de embargar a obra, porque o projeto de proteção dos arqueológicos sítios deveriam ter sido entregues antes do inicio dos trabalhos”, justificou.

Obra devastou manguezal e matas ciliares

A obra, cujo custo é de R$ 10 milhões, já gerou a destruição de cerca de seis hectares de manguezais e matas ciliares. Segundo a assessoria da prefeitura, a vegetação será recuperada nas áreas não urbanizadas do rio. Já nas regiões onde a cidade chegou até às margens do manancial, haverá uma “urbanização de caráter ambiental permitindo a implantação de estruturas de uso público que promovam a integração da comunidade com o meio ambiente”.

Ainda não há prazos de quando começará esta recuperação. A assessoria também não detalhou como será a remoção de casas que estão nas margens do rio. “As análises quanto à desapropriação serão realizadas em etapa posterior”, concluiu.

Município nega saída de empreiteira

Na tarde de ontem o ambientalista que organiza a Descida Ecológica do rio Jacaraípe, Helton Alvim, informou que a empresa Ônix teria dado aviso prévio para todos os funcionários.

Um dirigente da Federação da Associação de Moradores (Fams), que pediu para não ser identificado, disse que a empreiteira ameaçou deixar a obra. Esse dirigente, disse que teria ocorrido uma reunião entre o prefeito Audifax Barcelos (PSB) , representantes da empresa e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), onde teria sido feito acordo para que a Ônix retomasse a obra a partir do dia 09 de setembro.

A assessoria de Audifax não confirmou a reunião de hoje, mas disse que o município segue negociando com o Iphan o desembargo da obra. E negou que a Ônix estaria abandonando a dragagem. A reportagem tentou, sem sucesso, falar com os representantes da empreiteira.

Comentários

Mais notícias

Como fica o direito da gestante a um acompanhante no momento do parto durante a pandemia

O direito a um acompanhante durante o parto é garantido pela lei federal nº 11.108 de 2005 (lei do acompanhante), que alterou a lei...

Serra ultrapassa oito mil casos confirmados de coronavírus e atinge 320 mortes

Seguindo na liderança de casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, a Serra já ultrapassou a triste marca de oito mil moradores infectados e...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!