21 C
Serra
terça-feira, 20 de outubro de 2020

Protesto, crise e escolha

Leia também

Com 133 casos em nove meses, assassinatos crescem 30% na Serra  

A violência não dá trégua na Serra. Entre janeiro e setembro, 133 pessoas foram assassinadas na cidade, numero 30%...

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem...

Serra ultrapassa os 18 mil casos confirmados e já registra 525 mortos por Covid-19

Sendo a terceira cidade com mais casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, a Serra já ultrapassou a triste...
Mari Nascimento
Mari Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

 

Nem as previsões mais pessimistas esperavam que logo no início do ano o Governo demonstraria toda a sua decadência.Assistimos dia após dia a nossa moeda despencar em valor, enquanto o dólar sobe.

Além disso, o Governo insiste em fazer uma lavagem cerebral na população e distraí-la das investigações do caso “Pretolão”.A presidente foi recebida às vaias num evento nesta semana, e mesmo assim, seus defensores e jornalistas pagos pelo Governo ainda conseguem manipular a população dizendo que esta é uma guerra dos ricos contra os pobres.

Ora, se perdemos o poder de consumo será que isto afeta apenas uma classe?

No momento os brasileiros precisam perceber que partido político não é religião e presidente não é papa, todos têm sim direito de criticar e protestar.

Se o gerente de uma loja deixa de promover resultados e administrar corretamente o

estabelecimento, ele não é substituído? Por que não fazer o mesmo com a governante de uma nação que tem coisas muito mais importantes do que um simples negócio em mãos?

Neste momento, sendo contra ou a favor dos protestos que vão ocorrer no dia 15, é preciso decidir ser brasileiro. Ser brasileiro significa acima de tudo não se separar cultural e ideologicamente dos outros ao ponto que isto resulte em uma agressão verbal e física.

Quando estamos separados somos um alvo fácil de pessoas que não estão interessadas nem em um lado nem no outro, mas apenas em si mesmas e sem seus próprios interesses.

As pessoas são falhas e precisam saber que suas ações têm consequências. Sendo um pouco otimista agora, muitas fortunas foram construídas em momentos de crise.

É preciso estar atento para transformar a dificuldade em oportunidade. Quando o povo brasileiro acordar desta anestesia coletiva meu desejo é que estaremos mais unidos como nação e vamos ressurgir com força e alegria, porém, se continuarmos nos separando e idolatrando uma presidente, entraremos nas páginas da história com muita vergonha das nossas escolhas.

 

Mari Nascimento
Mari Nascimento é repórter do Tempo Novo há 18 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

Mais notícias

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem três anos de história, mas...

Serra ultrapassa os 18 mil casos confirmados e já registra 525 mortos por Covid-19

Sendo a terceira cidade com mais casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, a Serra já ultrapassou a triste marca de 18 mil moradores...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!