19 C
Serra
domingo, 31 de Maio de 2020

Prefeitura e comunidade rejeitam aterro de lixo nas nascentes da Juara

Leia também

Servidores da Serra podem realizar perícia médica por meio da internet

Enquanto os serviços seguem limitados em função da pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura da Serra está permitindo que...

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Lagoa Juara em Jacaraípe: projeto pode gerar impacto nas nascentes. Foto: Divulgação

Não. Essa foi a resposta dada pelo Município e também pela comunidade de Putiri ao projeto de gestão de lixo, o qual inclui aterro de resíduos, que a empresa Serragroindustrial pretende instalar entre Serra Sede e Nova Almeida, nas cabeceiras da lagoa Juara.

Em comunicado envidado pela assessoria de imprensa, no início da noite de ontem (5), a Prefeitura da Serra disse que negou a solicitação de viabilidade do projeto feito pela Serragroindustrial, porque a área pretendida está na “macrozona de uso sustentável” e por ser uma “atividade de alto impacto ambiental”.

O comunicado diz que a Secretaria de Meio Ambiente (Semma) deu parecer contrário, mas como a empresa entrou com recurso, o caso será avaliado pelo Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (COMDEMAS). A Prefeitura disse, ainda, que a própria comunidade do entorno da localidade de Putiri entrou no Ministério Público com ação contrária à instalação e o caso está aguardando decisão.

Por e-mail, o sócio administrador do projeto, Carlos Augusto Pretti Moraes, disse que a intenção é implantar uma “central de valorização de resíduos, com compostagem orgânica segregada na fonte, biodigestor para geração de energia e geração fotovoltaica”.

De acordo com o site consultacnpj.com, a empresa tem o endereço no KM 09 da Rodovia ES-351 (estrada Serra Sede – Nova Almeida), na fazenda Três Lagoas. Na propriedade, passa o Ribeirão Juara, curso d’água que desce da região entre Chapada Grande e Muribeca e forma a lagoa Juara, em Jacaraípe. A fazenda fica nas proximidades de Putiri, onde já existe outro aterro de resíduos, este da empresa Vitória Ambiental.

Segundo a descrição da atividade da Serragro, a empresa pode operar com usina de compostagem; tratamento e disposição de resíduos não perigosos; comércio atacadista de defensivos agrícolas, adubos, fertilizantes e corretivos de solo; aluguel de máquinas e equipamentos industriais; geração e transmissão de energia elétrica.

Na Serra, além da Vitória Ambiental, cujo aterro é voltado para atender rejeitos industriais – inclusive perigosos, como óleos e graxas –, há o aterro da empresa Manancial, especializado em rejeitos da indústria de rochas ornamentais. Este fica aos pés do Mestre Álvaro, entre Pitanga e Nova Carapina.

Já o lixo doméstico gerado na Serra vai para o aterro da empresa Marca Ambiental, localizado às margens da Rodovia do Contorno (BR-101) em Cariacica.

Comentários

Mais notícias

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando e oferecendo as vagas de...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de máscaras e kits de limpeza...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!