22.7 C
Serra
terça-feira, 11 de agosto de 2020

Pode isso, Caldeira?

Leia também

Retorno das aulas presenciais preocupa autoridades do Estado

Autoridades políticas criticam o anúncio do governo do Estado de que deve retornar as aulas, após o período de...

Opinião: professora diz que retorno às aulas é irresponsabilidade e vai expor profissionais e alunos ao coronavírus

* Fabíola dos Santos Cerqueira | Professora de Sociologia da rede estadual * Hilton Dominczak | Sociólogo Nos últimos cinco meses, desenvolvemos Pesquisas...

Vereadores da Serra adiam votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)

Após entrar em pauta para votação nesta segunda-feira (10), o projeto de lei contendo a Lei de Diretrizes Orçamentárias...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Na próxima semana, a Câmara da Serra vai completar um mês sem votar nenhum projeto de lei (PL) de autoria de vereadores governistas. Desde a sessão do dia 6 de junho, a Câmara é pautada apenas por projetos daqueles parlamentares que elegeram o atual presidente Rodrigo Caldeira (Rede), na eleição do dia 2 de junho. Em levantamento do Tempo Novo, foram 17 projetos, dos quais 3 são de autoria do Poder Executivo e 14 de vereadores do grupo de Caldeira. O parlamentar que mais teve projetos apreciados foi Pastor Ailton (PSC), com a incrível marca de 5 projetos, em menos de um mês. Depois de Aílton, vêm Stefano Andrade (PHS), Adriano Galinhão (PTC) e o 1º secretário da Mesa, Roberto Catirica (PHS), cada um com dois projetos, já Cleusa Paixão (PMN), Caldeira e Nacib Haddad (PDT), vêm com um cada. Parece ser essa a regra da Mesa Diretora, quem não votou neles não tem ‘direito’ de ter seus projetos apreciados. Pode isso, Arnaldo?

Contratos na mira

Falando na Câmara, o presidente Rodrigo Caldeira quer dar uma mexida em alguns contratos. O primeiro na mira é o contrato com a empresa Mundial Serviços de Vigilância e Segurança, responsável pelo sistema de vídeo monitoramento e segurança patrimonial da Câmara. Desde quando assumiu a presidência, em março, após o afastamento de Neidia Maura (PSD), Caldeira não fez nenhum pagamento à empresa, que tem contrato de cerca de R$ 120 mil por mês. Segundo fontes internas da Câmara, Rodrigo estaria “descontente com o contrato e com a empresa”. Alguns vereadores se perguntam também se Caldeira irá mexer nos contratos da Himalaia que entre outras, presta o serviço de ar condicionado na Câmara, e das empresas Servinorte e Servibras, que prestam serviço de jardinagem, limpeza e conservação da Câmara. Somados esses contratos, dão mais de R$ 7 milhões por ano.  

Foro meia boca

O ministro do STF, Dias Toffoli, enviou para a 1º instância da Justiça Eleitoral o processo em que o deputado federal Sérgio Vidigal, e a esposa, Sueli Vidigal (ambos PDT) são acusados de supostamente usar recursos desviados da Prefeitura da Serra para irrigar a campanha de Sueli para a Câmara Federal em 2010. O envio para a 1º instância segue a orientação da Justiça após decisão de restringir o foro privilegiado de políticos. A Justiça entendeu que o caso não tem correlação com o atual mandato de deputado federal ocupado por Vidigal, que em 2010 era prefeito da Serra, e por isso poderia correr nas instâncias inferiores. Com isso, é possível que o processo contra Vidigal tramite mais rápido no âmbito da Justiça, que agora passa a correr na 26º Zona Eleitoral do ES.

Correndo a sacolinha

Após o empréstimo de R$ 188 milhões para investimentos na segurança pública, essa semana o Governo do Estado conseguiu autorização da Assembleia Legislativa para nova operação de crédito, desta vez no valor de R$ 37.8 milhões junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento para financiar o Projeto de Modernização da Gestão Fiscal do Espírito Santo (Profisco II ES). Na votação, apenas o deputado Sérgio Majeski (PSB) votou contra.

Palanque

Matemática do poder

A menos de um mês para início do período de convenções que deve dar o tom para as coligações partidárias, as siglas já fazem as contas para ver as melhores alianças. Entre os números-chaves para o sucesso nas urnas está o ponto de corte para as vagas de deputado estadual e federal. Ainda existe muita incerteza sobre eles, já que são esperadas muitas ausências e votos nulos e brancos. Mas as contas têm partido das seguintes configurações: Com 2.754.728 eleitores capixabas, as siglas esperam entre 1.6 milhão a 1.7 milhão de votos válidos. Com isso, as legendas precisariam de 55-60 mil votos para conseguir uma vaga na Assembleia Legislativa e 160-170 mil votos para a Câmara Federal. São essas contas que vão nortear as alianças.

Entre Guto e Bruno

Do mesmo lado político na Serra, o vereador e pré-candidato a deputado federal Guto Lorenzoni (Rede) e o deputado estadual, pré-candidato a reeleição, Bruno Lamas (PSB), estão entrando em choque nos bastidores. Isso porque Guto tem atuado como cabo eleitoral de Alexandre Xambinho (Rede), que deve disputar uma vaga de deputado estadual, e Guto vem tentando ‘pegar’ lideranças e apoiadores de Bruno para ‘engordar’ a campanha de Xambinho. Na semana passada, durante um evento político, Bruno chegou a dizer no microfone para Guto “parar de fazer investidas contra seus apoiadores”, causando forte constrangimento. Guto e Bruno já não se batem a algum tempo, desde que o prefeito Audifax elegeu Guto como sua prioridade em seu grupo político.

Maza ficando massa

Outro que tem ganhado espaço dentro do grupo político do prefeito é Silas Maza (PTC). Silas é pré-candidato a deputado federal, e um dos poucos que orbita ao mesmo tempo os núcleos de Audifax e do governador Paulo Hartung (MDB). Essa semana Silas conseguiu trazer lideranças expressivas para seu time. Trata-se de João Manoel, filiado histórico do PSB que assinou a ficha do PTC e deve deixar Bruno Lamas e apoiar Silas. Outro foi o ex-presidente da Câmara Adir Paiva, que também se filiou o PTC. Este último é visto como uma movimentação com o DNA de Audifax. Alguns apostam que Audifax investe em Silas para em caso de vitória nas urnas de Paulo Hartung, Silas ser um elo de ligação entre PH e Audifax.

Comentários

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Opinião: professora diz que retorno às aulas é irresponsabilidade e vai expor profissionais e alunos ao coronavírus

* Fabíola dos Santos Cerqueira | Professora de Sociologia da rede estadual * Hilton Dominczak | Sociólogo Nos últimos cinco meses, desenvolvemos Pesquisas com alunos do Ensino Médio...

Vereadores da Serra adiam votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)

Após entrar em pauta para votação nesta segunda-feira (10), o projeto de lei contendo a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2021 foi retirado da...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!