• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.690 casos
  • 967 mortes
  • 48.401 curados
25 C
Serra
terça-feira, 13 abril - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.690 casos
  • 967 mortes
  • 48.401 curados

Pitanga sob o medo de novos desabamentos

Leia também

CPI dos Maus-Tratos irá ouvir homem suspeito de golpear cadela com facão na Serra

O homem suspeito de dar golpes de facão na cabeça de uma cadela na Serra será ouvido pela CPI...

Em apenas 24 horas, Serra perde mais 11 moradores para o coronavírus e atinge 967 óbitos

Um dado estarrecedor do pico da pandemia causada pelo coronavírus – em maio de 2020– voltou a assombrar os...

Serra começa a vacinar policiais e guardas municipais contra o coronavírus nesta quarta

A Prefeitura da Serra, através da Secretaria de Saúde da Serra (Sesa), iniciará a vacinação dos trabalhadores da força...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Dois idosos estavam na sala na hora  do desabamento,  mas por sorte nao se feriram
Dois idosos estavam na sala na hora do desabamento, mas por sorte não se feriram

Moradores de Pitanga estão apreensivos após o desabamento de parte do teto de uma residência no bairro, por volta das 12h da última segunda. Eles acusam uma das pedreiras que atuam no bairro de ser a responsável por este problema e também pelas rachaduras de dezenas de casas na comunidade.

Segundo o presidente da Associação de Moradores do bairro, Luiz Henrique Fernandes, a comunidade teme consequências piores. “Temos casos de casas com rachaduras e uma pedra que foi arremessada sobre uma casa, atingindo um quarto. Aguardamos agora a votação de um projeto de lei enviado pelo prefeito Audifax Barcelos (PSB), que limita novas instalações de pedreiras na região”, frisa.

Por determinação do Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema), técnicos do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) farão uma vistoria nas residências de Pitanga, que apresentam rachaduras para saber se existe relação entre as explosões das pedreiras, os tremores de terra e os problemas nos imóveis.

O alvo dos moradores neste momento é a pedreira Tervap Pitanga, cuja lavra está no Mestre Álvaro, a cerca de 200m das casas. À Tervap, o Iema informou que a empresa já está elaborando um relatório atualizado sobre as medições das explosões, com previsão de ser entregue nos próximos dias. Já a vistoria do Crea, o Instituto não revelou quando vai acontecer.

O representante da Tervap, José Carlos Zamprogno, disse desconhecer detalhes sobre a visita do Crea ao bairro Pitanga. E negou que os problemas apontados pelos moradores sejam provocados pelas atividades da empresa.

 

Movimento

“O parecer será dado pelo Iema. Não participamos da visita que foi feita por técnicos do instituto. Também não entendo porque a comunidade está fazendo este movimento, que mais parece político, já que são duas empresas na região que atuam no ramo”, disse. Zamprogno se referiu a Sobrita, outra pedreira que atua na região, mas a cerca de 800 metros das casas.

Em relação às novas medições sismográficas, Zamprogno informou que a Tervap já providenciou uma empresa para fazer a medição. “Queremos provar que a exploração da pedreira não provoca danos àquela comunidade”, explicou.

Comunidade questiona legitimidade de medição

Já o presidente da Associação de Moradores, Luiz Henrique Fernandes, acredita que durante as medições, a empresa pode optar por cargas menores de explosivos e mascarar o resultado.

No último dia 14, uma equipe do Iema, chefiada pelo presidente do órgão, Tarcísio Föeger, e moradores da região, quando realizaram uma vistoria no bairro. Em função das queixas dos moradores do bairro, foi solicitada pelo Iema à empresa Tervao que realize novas medições sobre as explosões. Também foi identificada a presença de rachaduras em algumas edificações, o que motivou o pedido de visita do Conselho Regional de Engenharia, para que elabore um parecer sobre a situação da estrutura das casas.

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!