19.7 C
Serra
sábado, 28 maio - 2022
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Para que o tratamento de esgoto aconteça, imóveis precisam estar ligados às redes

Leia também

Campanha de segurança de trânsito alcança 3 mil serranos

Desde o inicio deste mês, o Departamento Operacional de Trânsito (DOT), tendo em vista a campanha de conscientização de...

Polícia prende suspeitos de roubar carro com bebê e criança na frente de creche na Serra

A Policia Civil, por meio da Divisão Especializada de Furtos e Roubos de Veiculos, prendeu em flagrante um dos...

Lei torna hediondo crime praticado contra menores de 14 anos

O Presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 14.344/2022 que cria mecanismos para a prevenção e o enfrentamento da violência...
Conteúdo Patrocinadohttps://www.portaltemponovo.com.br
O conteúdo patrocinado não é reflete a opinião do Tempo Novo, mas é de responsabilidade dos seus autores.

Foto: Divulgação

A universalização do acesso aos serviços de tratamento de efluentes na Serra está próxima, e, até o momento, o município conta com 90% de cobertura de redes de esgoto. No entanto, por mais que exista a disponibilidade de sistemas de esgotamento sanitário em vários bairros da cidade, 21 mil imóveis que têm acesso a essas estruturas não estão ligados a elas. A parceria público-privada (PPP) entre a Ambiental Serra e a Companhia Espírito-santense de Saneamento (Cesan) alerta para que as pessoas liguem as residências às redes, pois, somente com essa cooperação, o esgoto pode ser tratado.

A não conexão dos imóveis aos sistemas resulta no despejo do esgoto em locais indevidos, como corpos hídricos e lugares a céu aberto. Isso é negativo para a população, pois várias doenças são causadas pela água residual, e para o meio ambiente, com a poluição de rios, córregos, mares.

Uma pesquisa recente do Instituto Trata Brasil, que é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público com o objetivo de estudar e acompanhar os temas relacionados aos avanços do saneamento básico e na proteção dos recursos hídricos do Brasil, revelou que à medida que os investimentos em esgotamento sanitário foram alavancados na Serra, a taxa de internação por doenças de veiculação hídrica ou respiratória registrada no município reduziu 39% no período de 2010 a 2019.

O tratamento de esgoto contribui para a qualidade de vida das pessoas, preservação do meio ambiente, valorização de imóveis e de atividades econômicas. Os dados do Instituto Trata Brasil, por exemplo, mostram o impacto positivo desse trabalho para a saúde da população serrana. A PPP está investindo para universalizar o acesso ao serviço no município, mas, ao mesmo tempo, precisa da colaboração dos moradores, pois o esgoto só é tratado se for direcionado para as Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs), sendo que, para isso, é necessário a casa estar conectada aos sistemas.

Contato com a Cesan

A responsabilidade de realizar a ligação do esgoto do imóvel na rede é dos moradores, prevista em lei federal; aqueles que não ligam, são fiscalizados por órgãos públicos competentes. Se já existe ponto de interligação (PI) instalado na frente de sua casa, você pode fazer a ligação da sua residência a ele e entrar em contato com o número 115 (que é a central de atendimento da Cesan) a fim de comunicar a conexão.  Se não há PI presente na sua calçada, ligue para o 115 e peça a instalação dele — o telefonema é gratuito e o atendimento funciona 24h.

PPP

A Ambiental Serra firmou, desde 2015, uma parceria público-privada (PPP) com a Cesan a fim de realizar a implantação e a manutenção do sistema de esgotamento sanitário da Serra. Por meio dessa união, a cobertura das redes de esgoto no município saltou de 58% para 90%, com 1,2 bilhão de litros de efluentes sendo tratados por mês.

Conteúdo Patrocinadohttps://www.portaltemponovo.com.br
O conteúdo patrocinado não é reflete a opinião do Tempo Novo, mas é de responsabilidade dos seus autores.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!