24.3 C
Serra
sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Pandemia gera demissões em quase metade das indústrias do ES, diz Federação

Leia também

Bruno Lamas e Guilherme Lima formam chapa puro sangue rumo a disputa pela prefeitura

O deputado estadual Bruno Lamas (PSB) definiu uma chapa puro-sangue para a disputa da Prefeitura da Serra. O nome...

Vândalos destroem horta e jardim de unidade de saúde da Serra

Funcionários da unidade de saúde de Jardim Tropical, na Serra, tomaram um susto ao chegar ao trabalho hoje (18)...

Médico do Jayme e morador de Jacaraípe, dr. Afonso Pimenta é o vice de Vandinho

Com 27 anos de profissão dedicados aos serranos, cirurgião quer ajudar a melhorar o sistema de saúde da cidade. O...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Demissões já aconteceram em 48% das indústrias e 54% admitiram ter reduzido quadro de prestadores de serviço. Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

Pesquisa publicada na última sexta feira (15), mostra efeito devastador da pandemia do novo coronavírus sobre indústrias do ES. A grande maioria das empresas pesquisadas (81%) já teve queda no faturamento. Demissões aconteceram em 48% dos empreendimentos consultados e 49% deles tiveram crescimento na inadimplência dos clientes.

Os números são da pesquisa feita pela Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), através do Instituto de Desenvolvimento Industrial (Ideies), que ouviu 87 dirigentes industriais entre os últimos dias 13 e 14 de maio. E, além dos dados já citados, traz outros para lá de preocupantes.

Por exemplo, 43% dos dirigentes afirmaram que suas empresas não sobrevivem mais que 6 meses caso seja necessário persistir no distanciamento social.

Distanciamento, aliás, que é aprovado pela maioria dos ouvidos: 72% disseram que as medidas ajudaram a conter o avanço ainda maior da covid-19, mas ressaltam que agora é preciso flexibilização.

Parcela expressiva das indústrias consultadas já reduziu salários (44%). Número ainda maior fez demissões (48%) e diminuiu quadro de prestadores de serviços (54%). E mais dirigentes ouvidos que ainda não adotaram tais medidas informaram que irão fazer.

Crédito escasso

Justamente no momento em que o crédito é fundamental para sobrevivência dos negócios, ele está sumindo. Apenas 23% das indústrias pesquisadas que tentaram empréstimos conseguiram. E mais da metade (65%) diz que irá precisar pegar dinheiro emprestado de novo.

A pesquisa completa pode ser conferida no endereço https://bit.ly/BoletimDiárioIdeies_Coronavirus.

Comentários

Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Mais notícias

Vândalos destroem horta e jardim de unidade de saúde da Serra

Funcionários da unidade de saúde de Jardim Tropical, na Serra, tomaram um susto ao chegar ao trabalho hoje (18) pela manhã. É que a horta...

Médico do Jayme e morador de Jacaraípe, dr. Afonso Pimenta é o vice de Vandinho

Com 27 anos de profissão dedicados aos serranos, cirurgião quer ajudar a melhorar o sistema de saúde da cidade. O médico cirurgião Afonso Carlos Vanzo...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!