21.3 C
Serra
quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Óleo da Vale invade lagoa e casas em Hélio Ferraz

Leia também

Vidigal promete vigiar poluição do ar, ampliar reservas ambientais e revisar PPP do esgoto

Com a bagagem de já ter sido prefeito três vezes da Serra Sérgio Vidigal (PDT) volta a disputar o...

Com 133 casos em nove meses, assassinatos crescem 30% na Serra  

A violência não dá trégua na Serra. Entre janeiro e setembro, 133 pessoas foram assassinadas na cidade, numero 30%...

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem...
Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é o editor de política do Tempo Novo. Além de sua área, o jornalista, escreve para outras editorias do portal.

Por Bruno Lyra

Moradores observam a retirada do óleo. No muro, a marca de onde a água oleosa chegou. Foto: Bruno Lyra
Moradores observam a retirada do óleo. No muro, a marca de onde a água oleosa chegou. Foto: Bruno Lyra

Como se não bastasse o drama de ter suas casas inundadas pelas águas imundas da lagoa Pau Brasil, os moradores da parte baixa de Hélio Ferraz tiveram uma dor de cabeça extra: o óleo que vazou de uma estação de tratamento de resíduos da Vale, localizada no interior do Complexo de Tubarão.

Na manhã de hoje ainda havia casas alagadas. E uma equipe a serviço da Vale trabalhava no local, com barco e boias de contenção para impedir que óleo atinja a lagoa do Parque Botânico da empresa e chegue até a praia de Camburi, onde deságua o córrego principal desta microbacia hidrográfica.

Em nota a Vale disse que o vazamento de óleo foi em decorrência da chuva, que na região vizinha ao Complexo de Tubarão, no bairro Novo Horizonte, atingiu impressionantes 385 milímetros, o maior índice já registrado na história do Instituto Capixaba de Pesquisa e Extensão Rural (Incaper).

Em nota a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), informou que está monitorando a situação e que está adotando as “providências necessárias”. Mas não detalhou que providências seriam essas e nem informou se a Vale será notificada e multada.

A reportagem procurou a assessoria do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), que até às 13hs desta segunda (03) não retornou os questionamentos.

 

Drama e protesto

lagoa pau braasil helio ferraz
Quatro dias depois da chuva o nível da lagoa ainda está alto. Foto: Bruno Lyra

Na manhã de hoje ainda havia casas inundadas com a água contaminada no bairro. Segundo o morador Weber de Araújo, cerca de 70 casas foram atingidas pela enchente que veio com óleo.

Indignados com a situação, cerca de 80 moradores fecharam a entrada da Vale na avenida Dante Micheline, em Jardim Camburi. Os moradores entendem que a inundação é por falta de limpeza na lagoa e no córrego que desce dela, cuja maior parte está na Vale. E também reclamam do óleo vazado.

A ação contou com o suporte de dois vereadores residentes no bairro: o presidente da Câmara Guto Lorenzoni(PP) e Tio Paulinho(PV). No início da tarde, desabrigados permaneciam no Centro Municipal de Educação Infantil(CMEI) “Bem-me-quer”.

Na casa de uma das moradoras, Aparecida Martins, ainda tinha água com óleo até a metade da residência. “Eu, meus três filhos, minha nora e meu marido estamos sem poder voltar. A Vale ficou de nos dar uma solução até sexta(07). Se não resolver, faremos mais manifestações”, alertou.

 

Recomendação

O presidente da Câmara Guto Lorenzoni, disse que vai enviar uma recomendação à Vale e ao Executivo Municipal para que arrumem solução definitiva para o problema da lagoa. Medida que será extensiva à Cesan.

Isso porque a empresa instalou rede de esgoto na região, que nas chuvas retorna e invade as casas, além de não ter melhorado a situação ambiental da lagoa. “Os moradores pagam um serviço à Cesan que deixa a desejar. Já a Vale tem que fazer o desassoreamento da lagoa como um todo para melhorar a vazão. E vamos acompanhar se o suporte que a Defesa Civil está dando aos moradores é adequado”, concluiu.

 

Moradores querem ressarcimento e pedem ajuda

Já o vereador Tio Paulinho disse que a Vale recebeu uma pauta de reinvindicação dos moradores contendo pedidos de ressarcimento das perdas materiais com o transbordamento da lagoa contaminada por óleo. “A Vale vai receber os moradores na sexta. Vamos ver se ela repõe os móveis e eletrodomésticos perdidos. E qual solução dará contra os alagamentos na lagoa”, pontuou.

Os desabrigados e aqueles que já conseguiram retornar para suas casas estão precisando de ajuda. As maiores necessidades são de alimentos não perecíveis, roupas e colchões. Doações podem ser feitas no próprio CMEI “Bem-me-quer” em qualquer horário ou com Elaine Gonçalves 99746 – 6811, que está dando suporte aos desabrigados. Com a colaboração de Anderson Soares e Conceição Nascimento

Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é o editor de política do Tempo Novo. Além de sua área, o jornalista, escreve para outras editorias do portal.

Mais notícias

Com 133 casos em nove meses, assassinatos crescem 30% na Serra  

A violência não dá trégua na Serra. Entre janeiro e setembro, 133 pessoas foram assassinadas na cidade, numero 30% maior que no mesmo período...

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem três anos de história, mas...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!