25.6 C
Serra
sábado, 22 de fevereiro de 2020

O desconhecido da eleição capixaba

Leia também

Artigo de opinião TN | Morte de Cabo Porto e família é uma tragédia para a Serra

A morte do vereador Cabo Porto, em um acidente de trânsito no interior do estado, mexeu muito com a...

Cabo Porto, esposa e filho morrem em acidente no interior do Estado

O vereador da Serra, Cabo Porto, morreu na tarde deste sábado (22) num acidente na rodovia BR 101, na...

PRÉ-CONVENÇÃO NO SISTEMA ELEITORAL BRASILEIRO

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 prevê que a filiação a partido político é uma condição...
Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

 Por Yuri Scardini:

Diante da confirmação da não-reeleição do governador Paulo Hartung (MDB), o desconhecido deve tomar conta da cena política por alguns dias. Mas é certo que esse fato põe o ex-governador Renato Casagrande (PSB) em estado de favoritismo. Pouco menos de um dia após o anúncio de desistência de Hartung, já se observa um movimento de convergência de muitas forças políticas em torno de Casagrande.

Ao menos dois partidos devem anunciar nos próximos dias uma aliança com Casagrande. O PDT do deputado federal Sérgio Vidigal e o PP, do também deputado federal Marcus Vicente e do estadual Jamir Malini. Estes dois partidos têm estrutura nacional grande, trazem recursos e tempo de TV. Esse movimento pode abrir a porteira para outras siglas definirem Casagrande como seu candidato.

O que Vidigal deve colocar na mesa de negociações com o PSB são as condições para garantir a eleição de Sueli para estadual ou federal caso Vidigal opte por disputar outro cargo. Acertado isso, o PDT caminha a passos largos para unir forças a Casagrande.

O que o mercado político espera agora é a definição do lado oposto. Com a desistência de Hartung, seu espólio está em leilão. Como farão os partidos e aliados, como o PSDB do vice-governador Cesar Colnago; do senador Ricado Ferraço e de Vandinho Leite? Ou mesmo o próprio MDB, de Lelo Coimbra e André Garcia? Quem vai ser o cabeça de chapa dessa turma? As apostas estão colocadas e nomes duvidosos, como o de Amaro Netto, começam a surgir no mercado político.

Amaro é do PRB, braço da Igreja Universal de propriedade de Edir Macedo, que tem como pré-candidato a presidente da República o dono das lojas Riachuelo, Flavio Rocha, a quem Hartung já teceu inúmeros elogios. Rocha aparece nas pesquisas com 1% das intenções de voto e deve se unir a um evangélico com discurso neo-liberal, tal como Bolsonaro, líder das pesquisas de intenção de voto (sem Lula) e que aparece com quase metade das intenções aqui no ES.
A 10 dias das convenções partidárias e há 25 dias do registro de candidatura, a dúvida e o desconhecido tomam conta do Espírito Santo e dos capixabas.

Comentários

Mais notícias

Cabo Porto, esposa e filho morrem em acidente no interior do Estado

O vereador da Serra, Cabo Porto, morreu na tarde deste sábado (22) num acidente na rodovia BR 101, na zona rural, de Linhares. O...

PRÉ-CONVENÇÃO NO SISTEMA ELEITORAL BRASILEIRO

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 prevê que a filiação a partido político é uma condição de elegibilidade. Isso quer dizer...

Justiça determina retorno de Geraldinho Feu Rosa à Câmara da Serra

Mais uma reviravolta na Câmara da Serra. Por meio de liminar, o Tribunal de Justiça do Espírito Santo determinou o retorno do vereador afastado...

Serra empata com São Mateus e volta a jogar com o Rio Branco VN depois do Carnaval

O Serra empatou na noite de ontem (20), no Robertão, na Serra Sede diante do São Mateus, em 1x1. Com o resultado, o tricolor...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem