26.5 C
Serra
sábado, 18 de janeiro de 2020

Mais um caso de malária é confirmado na Serra e município fica em alerta

Leia também

Novo surto de dengue | Confira a ‘Charge do TN’ desta semana

Um aviso emitido pelo Ministério da Saúde deixou diversos municípios capixabas em alerta, inclusive a Serra. Isso porque 11...

Poesia e música no Centro Cultural, em São Diogo, neste sábado

Neste sábado (18), às 18 horas, acontece a primeira edição do Sarau do Beco do Centro Cultural Eliziário Rangel,...

Prazer, sou doutor – Confira ‘O Nó da Gravata’ desta sexta

A coluna 'O Nó da Gravata' é escrita pela repórter de política, Maria Nascimento. Os textos são publicados...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. Foto: Divulgação

Sendo mais comum na região Amazônica do Brasil, a malária já infectou dois moradores da Serra este ano. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, os dois casos são importados, ou seja, os pacientes foram infectados fora do Espírito Santo e voltaram para a cidade portando o vírus. O município está em alerta com a doença desde junho, já que podem aparecer outros casos na Serra.

Conforme noticiado pelo TEMPO NOVO, o primeiro caso foi confirmado em junho. O morador é de Colina de Laranjeiras, foi infectado em Rondônia – que é um dos estados mais comuns para casos de malária. Mesmo assim a Serra está em atenção desde então já que há risco de contaminação no município. Na ocasião, a reportagem teve acesso a um documento enviado pela Prefeitura da Serra para profissionais de saúde.

Já o outro caso aconteceu depois de junho, mas não há informações sobre o bairro e nem o mês que foi ocorrido. Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde, disse apenas que a cidade já confirmou mais um caso da doença, sendo dois até agora. Informou ainda que esse segundo morador foi infectado na África.

“Devido a demora na confirmação diagnóstica (1 mês) e características ambientais dessa região (presença do vetor), podemos nos surpreender com novos casos. Tivemos ação de bloqueio pela equipe do VAS no dia 29/05/2019 com objetivo de reduzir a população dos mosquitos transmissores deste agravo”, disse a Secretaria de Saúde em um dos trechos do documento.

Vale lembrar que em 2018 ocorreu um surto de malária no Espírito Santo. Até o mês de agosto do ano passado, o estado tinha registrado mais de 100 casos da doença, incluindo um óbito. Também houve registros da doença na cidade.

Doença pode levar a morte

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. Qualquer pessoa pode contrair a malária. Indivíduos que tiveram vários episódios de malária podem atingir um estado de imunidade parcial, apresentando poucos ou mesmo nenhum sintoma no caso de uma nova infecção.

Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, a maioria dos casos de malária se concentra na região Amazônica, nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Nas demais regiões, apesar das poucas notificações, a doença não pode ser negligenciada, pois se observa uma letalidade mais elevada que na região Amazônica.

A malária não é uma doença contagiosa. Uma pessoa doente não é capaz de transmitir a doença diretamente a outra pessoa, é necessária a participação de um vetor, que no caso é a fêmea do mosquito Anopheles (mosquito prego), infectada por Plasmodium, um tipo de protozoário. Estes mosquitos são mais abundantes nos horários crepusculares, ao entardecer e ao amanhecer. Todavia, são encontrados picando durante todo o período noturno, porém em menor quantidade.

Sintomas da malária

  • febre alta;
  • calafrios;
  • tremores;
  • sudorese (ato de produzir e libertar suo);
  • dor de cabeça, que podem ocorrer de forma cíclica.

Muitas pessoas, antes de apresentarem estas manifestações mais características, sentem náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.

Comentários

Mais notícias

Poesia e música no Centro Cultural, em São Diogo, neste sábado

Neste sábado (18), às 18 horas, acontece a primeira edição do Sarau do Beco do Centro Cultural Eliziário Rangel, em São Diogo. O evento...

Prazer, sou doutor – Confira ‘O Nó da Gravata’ desta sexta

A coluna 'O Nó da Gravata' é escrita pela repórter de política, Maria Nascimento. Os textos são publicados todas as sextas-feiras na edição...

Acabou o tempo de Audifax | Leia o editorial do Tempo Novo

Por Yuri Scardini  Está marcado para logo após o Carnaval (final de fevereiro) a revelação do prefeito Audifax Barcelos (Rede) sobre o escolhido para defender...

Apocalipse das águas | Leia o editorial do Tempo Novo

Por Bruno Lyra Estudo do pesquisador Ângelo Fraga Bernardino, do Departamento de Oceanografia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), confirmou a contaminação crônica por...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!