17.4 C
Serra
sábado, 30 de Maio de 2020

Laranjeiras quer recuperar terreno milionário vendido por R$ 165 mil

Leia também

Com 569 mortes por Covid-19, Estado investiga outros 41 óbitos suspeitos

Quarenta e um óbitos estão sendo investigados no ES para saber se as pessoas morreram de Covid-19. O Espírito...

Shoppings da Grande Vitória poderão abrir a partir de segunda

A partir da próxima segunda-feira - dia 1º de junho - os shoppings centers da Grande Vitória poderão abrir...

Sobe para 2.374 o número de casos confirmados de coronavírus na Serra

Continua subindo o número de casos confirmados de coronavírus na Serra. De acordo com a última atualização divulgada pela...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

A atual gestão da Associação de moradores defende que houve fraude e venda simulada
do terreno que fica em área nobre de Laranjeiras, ao lado ginásio poliesportivo. Foto: Gabriel Almeida

A Associação de Moradores de Laranjeiras está na expectativa da Justiça decidir nos próximos 20 dias o futuro do terreno avaliado em torno de R$ 3 milhões, de propriedade do bairro, que em 2011 foi vendido à GSO Imobiliária por R$ 165 mil. O valor é 18 vezes menor que a avaliação de mercado à época, o que chamou a atenção do Ministério Público (MP-ES), que busca na Justiça a anulação do negócio. A ação tramita na 6ª Vara Cível, sob a titularidade do juiz Ailton Soares de Oliveira.

Segundo despacho do juiz, assinado no último dia 6, o imóvel foi utilizado como garantia para uma transação junto à Caixa Econômica Federal. Como o MP pede a anulação da venda, o magistrado quer que o banco se manifeste na ação. Após este prazo (06 de outubro) deve ser anunciada a sentença.

Segundo o advogado Pablo de Andrade, que representa a atual diretoria da Associação, a comunidade quer a devolução do imóvel.

“Essa compra e venda foi simulada. Na verdade não houve qualquer ingresso na conta da Associação, razão pela qual a atual gestão de Deborah Alves, entende que houve fraude. Nesse sentido, procuramos o MP para que se declare a nulidade do ato dessa transação. Ocorre que a empresa fez outras transações com o imóvel, a exemplo junto à Caixa, que foi dada em garantia, e o juiz está chamando prudentemente para saber em que situação está essa garantia. Mas se trata de uma fraude”, disse.

Procurada, Deborah Alves, atualmente presidente da Associação, disse que o bairro tem planos para a área e aguarda o parecer do juiz.

“Prestamos todo auxílio para contribuir no processo de retomada da área. Estamos confiantes que vamos reavê-la nos próximos 20 dias. Queremos pleitear junto a Prefeitura, uma Unidade de Saúde moderna e estruturada, para atender nossos moradores, além de local com equipamentos de uso comunitário” disse.

MP cobra celeridade

Em nota o Ministério Público disse que pediu ao juiz “celeridade na apreciação da liminar ora ingressada, que consiste na proibição da G.S.O Imobiliária e Participações LTDA EPP, de edificar ou realizar qualquer benfeitoria útil ou voluptuária na área objeto da presente ação”. O MP disse ainda “que a demora na apreciação da liminar pode acarretar sérios prejuízos às partes”. A nota sege afirmando que “a Promotoria vem acompanhando atentamente a presente ação para apuração de todas as irregularidades,  no intuito de dar celeridade ao feito e demais efeitos práticos legais”.

A reportagem procurou à imobiliária GSO, que não quis se pronunciar. O ex-presidente da AMPRL, Paulo César Carneiro Spinola, também foi procurado, mas não atendeu ao celular. Já a assessoria do Tribunal de Justiça confirmou que o último despacho aconteceu em 6 de setembro.

Entenda:

A suposta venda foi realizada em 2002 na gestão de Danielle Pimenta, mas só veio a ser escriturada 9 anos depois, em 2011, na gestão do então presidente Lucas que também é parte requerida no processo, assim como a GSO. O terreno vendido à imobiliária tem 2.360m2, e é localizado entre o Ginásio de Esportes e a sede comunitária. Não há registro que comprove o pagamento do imóvel, que até então pertencia à comunidade e hoje é utilizado para exploração de um estacionamento.

Comentários

Mais notícias

Shoppings da Grande Vitória poderão abrir a partir de segunda

A partir da próxima segunda-feira - dia 1º de junho - os shoppings centers da Grande Vitória poderão abrir as portas com restrições que...

Sobe para 2.374 o número de casos confirmados de coronavírus na Serra

Continua subindo o número de casos confirmados de coronavírus na Serra. De acordo com a última atualização divulgada pela Secretaria de Estado da Saúde...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!