25.3 C
Serra
sábado, 30 de Maio de 2020

Lama no Doce, sangue na Serra

Leia também

Servidores da Serra podem realizar perícia médica por meio da internet

Enquanto os serviços seguem limitados em função da pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura da Serra está permitindo que...

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Temos visto os debates intensos nas redes sociais sobre a violência cometida contra o Rio Doce. Discursos acalorados acerca de alguns argumentos midiáticos em nítida defesa dos agressores – “a empresa também é vítima” ou ainda, “essa tragédia pode ser ‘até mesmo’ uma salvação para o rio, já que estava em situação precária”. De longe acompanhamos e contribuímos com o debate nas redes sociais.

Ainda é cedo para sabermos quais os resultados que essa mobilização trará, mas sabe-se minimamente que a sociedade terá mais elementos para cobrar de outras empresas que oferecem riscos iguais ou maiores ao ambiente.

Diante dessa tragédia e da mobilização em torno dela, bem como de outras que vêm ocorrendo mundo afora, lançamos a pergunta: porque alguns tipos de violência chocam a sociedade, e mobilizam massas – como é o caso do Rio Doce –, enquanto outras passam desapercebidos?

Na semana passada, aqui mesmo no Tempo Novo, foi publicada estatística sobre assassinatos no município da Serra: 270 entre janeiro e outubro. Esses dados chegam a nós muitas vezes como mais um número e acabam se naturalizando. Mas olhar essas estatísticas de fora tem sido alarmante, principalmente quando comparamos algumas informações.

Em Portugal (no país inteiro!), em 2012 foram contabilizados 41 homicídios e em 2013 esse número caiu para 25. E entre os dias 23 de outubro e 23 de novembro (quando este artigo foi concluído), duas pessoas haviam sido assassinadas no país.

Não quero desmerecer a indignação em relação ao crime cometido contra o Rio Doce – muito pelo contrário! Só gostaria que a mesma repulsa tomasse conta da sociedade contra essa tragédia que é a violência extrema no Brasil e na Serra.

Comentários

Mais notícias

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando e oferecendo as vagas de...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de máscaras e kits de limpeza...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!