26.5 C
Serra
sábado, 18 de janeiro de 2020

Justiça absolve Sueli Vidigal de acusação de rachid

Leia também

Novo surto de dengue | Confira a ‘Charge do TN’ desta semana

Um aviso emitido pelo Ministério da Saúde deixou diversos municípios capixabas em alerta, inclusive a Serra. Isso porque 11...

Poesia e música no Centro Cultural, em São Diogo, neste sábado

Neste sábado (18), às 18 horas, acontece a primeira edição do Sarau do Beco do Centro Cultural Eliziário Rangel,...

Prazer, sou doutor – Confira ‘O Nó da Gravata’ desta sexta

A coluna 'O Nó da Gravata' é escrita pela repórter de política, Maria Nascimento. Os textos são publicados...
Maria Nascimento
Maria Nascimento é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Política.

A acusação refere-se ao ano de 2007, quando Sueli atuava como deputada federal. Foto: Divulgação

“A minha história pessoal e política não me permitia esperar nada diferente por parte da justiça, eu tinha convicção desse resultado. Fiquei feliz porque a justiça foi feita”. A afirmação da ex-deputada Sueli Vidigal (PDT) refere-se à decisão judicial proferida nesta terça-feira (27) sobre um processo que tramitava na Segunda Vara Criminal Federal do Espírito Santo onde era acusada de rachid.

A ação refere-se ao período em que Sueli era deputada federal, em 2007, e a prática de rachid, é quando o mandatário ou servidor público se apropria de parte dos salários dos seus subordinados. 

O juiz que assina a sentença, Américo Bedê Freire Júnior, apontou para a “falta de utilidade do prosseguimento do processo”. A ação foi extinta, sem apreciação do mérito, já que o Ministério Público Federal não deu prosseguimento à acusação e também evitar novos processos baseados na mesma acusação. 

Em conversa com a reportagem na tarde desta quarta-feira (28), Sueli Vidigal acrescentou.

“Das certezas que tenho na vida uma delas era esta, até porque eu sequer conhecia o autor da denúncia. Ele nunca foi meu funcionário e fui arrastada para uma situação que desconhecia. Ou seja, ela nunca existiu e ficaram visíveis no processo. As investigações só constataram que todo o teor da denúncia estava fora do contexto, e a denúncia infundada. Em todas as averiguações, acareações e quebra de sigilo o MPF pode chegar ao veredito mais justo que comunga com as minhas ações e história. Desistiu da ação por não possuir elementos que me comprometesse. É isto”, declarou.

Comentários

Mais notícias

Poesia e música no Centro Cultural, em São Diogo, neste sábado

Neste sábado (18), às 18 horas, acontece a primeira edição do Sarau do Beco do Centro Cultural Eliziário Rangel, em São Diogo. O evento...

Prazer, sou doutor – Confira ‘O Nó da Gravata’ desta sexta

A coluna 'O Nó da Gravata' é escrita pela repórter de política, Maria Nascimento. Os textos são publicados todas as sextas-feiras na edição...

Acabou o tempo de Audifax | Leia o editorial do Tempo Novo

Por Yuri Scardini  Está marcado para logo após o Carnaval (final de fevereiro) a revelação do prefeito Audifax Barcelos (Rede) sobre o escolhido para defender...

Apocalipse das águas | Leia o editorial do Tempo Novo

Por Bruno Lyra Estudo do pesquisador Ângelo Fraga Bernardino, do Departamento de Oceanografia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), confirmou a contaminação crônica por...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!