26.8 C
Serra
sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Julgamento de Vidigal por nepotismo é adiado pela 10ª vez

Leia também

Volta às aulas facultativa | Pais podem optar se irão mandar filhos para escola

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, concedeu na manhã desta sexta-feira (18) ao lado do secretário de...

Contarato acusa Governo Bolsonaro de omissão no combate às queimadas no Pantanal e cobra ações

O senador capixaba Fabiano Contarato (Rede) entrou com uma representação na Procuradoria Geral da República pedindo que sejam adotadas...

Prefeitura diz que fiscaliza, mas bares continuam causando aglomerações na Serra

Mesmo com os bares lotados e muitas reclamações de falta de fiscalização nesses estabelecimentos, a Prefeitura da Serra diz...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

O processo é movido pelo Ministério Público do ES. Foto: Divulgação

Conceição Nascimento

Na última terça-feira (26) foi adiado pelo 10º vez o julgamento em 2º instância da ação de improbidade administrativa (nº201301642939) que acusa o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT) de nepotismo. A nova data marcada para apreciação dos desembargadores da 3º Câmara Cível, onde o processo tramita, é para a próxima terça-feira (03/07). Vidigal foi condenado em 1º instância e caso o resultado se mantiver ele pode ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa e ficar inelegível por 5 anos. Além disso, o pedetista ainda pode ser condenado ao pagamento de R$ 1.486,080 a título de ressarcimento e multa.

O processo é movido pelo Ministério Público do ES e pelo Município da Serra, que acusa Sérgio Vidigal de nomear a irmã ao cargo de assessora especial CCI no período do seu 3º mandato (2009-2012) a frente da prefeitura. A ação foi iniciada em 2013 e Vidigal foi condenado na 3º Vara da Fazenda Pública Estadual. O processo está na pauta dos desembargadores desde o dia 10 de abril, mas vem sofrendo adiamentos e pedidos de vista. O relator do processo é o desembargador Samuel Meira Brasil Júnior.

No parecer condenatório a Justiça decretou a suspenção dos direitos políticos de Vidigal por 5 anos. Por isso, a decisão de 2º instância é aguardada no meio político da Serra e do ES já que em caso de condenação, pode mudar o panorama das configurações políticas eleitorais, uma vez que Vidigal é cotado para ser o candidato a deputado federal mais bem votado na eleição de outubro ou mesmo costuras em curso que podem por Vidigal na condição de vice na chapa do governado Paulo Hartung (MDB).

A reportagem solicitou informações ao Tribunal de Justiça. Em nota, a assessoria do TJ informou que “esse processo foi adiado para a sessão do dia 03 de julho”.

Já Vidigal, procurado pela reportagem disse em nota que “esse processo não o torna inelegível porque não tem prejuízo ao erário e nem enriquecimento ilícito” e que a denúncia “provém de divergência política e que o deputado confia na Justiça, por isso, tem convicção da absolvição”.

 

 

Comentários

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Contarato acusa Governo Bolsonaro de omissão no combate às queimadas no Pantanal e cobra ações

O senador capixaba Fabiano Contarato (Rede) entrou com uma representação na Procuradoria Geral da República pedindo que sejam adotadas medidas judiciais e extrajudiciais imediatas...

Prefeitura diz que fiscaliza, mas bares continuam causando aglomerações na Serra

Mesmo com os bares lotados e muitas reclamações de falta de fiscalização nesses estabelecimentos, a Prefeitura da Serra diz que realiza ações para tentar...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!