20.8 C
Serra
sexta-feira, 10 de abril de 2020

Já ouvir falar em miocardite? Especialista fala do problema que é mais comum em homens

Leia também

Império de Fátima vai doar cestas básicas para circos e máscaras para unidades de saúde da Serra

A escola de samba Império de Fátima se mobilizou para ajudar famílias carentes e artistas circenses da Serra. A agremiação...

Três secretários de Audifax devem disputar as eleições municipais em outubro

  A Prefeitura da Serra confirmou a desincompatibilização dos secretários Igor Elson B. de Almeida e Elcimara Rangel dos cargos de...

Número de casos confirmados da Covid-19 sobe para 300 no Espírito Santo

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Espírito Santo aumentou. De acordo com a última atualização divulgada...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

dor no peito
Quando é leve, a miocardite pode nem apresentar sintomas ou ser confundida com uma infecção viral. Foto: Reprodução

Já ouviu falar em miocardite? É uma inflamação do músculo do coração, chamado de miocárdio. “Esse músculo é o que contrai o coração. Quando está inflamado, o bombeamento do sangue fica prejudicado, o que pode provocar arritmias e insuficiência cardíaca”, explica o cardiologista da Unimed Vitória Rodolpho Farinazzo.

O médico destaca que o problema acontece em qualquer idade, é mais comum em homens, e não há uma causa específica. “Geralmente, a miocardite decorre de alguma doença infecciosa. Pode estar associada também ao consumo exagerado de álcool e drogas, além do uso de medicamentos e de doenças autoimunes”, pontua.

Quando é leve, a miocardite pode nem apresentar sintomas ou ser confundida com uma infecção viral. A recuperação é rápida e acontece naturalmente. Nos casos moderados e graves, de acordo com Farinazzo, podem surgir sintomas como dores no peito, arritmias, dificuldade para respirar, inchaço nas pernas, entre outros.

“Há situações que aparecem também dores de cabeça e no corpo, dor de garganta, febre e diarreia”, enumera o especialista.

De maneira geral, a recuperação completa acontece com repouso e medicação adequada. “Geralmente, não há sequelas. Em casos extremos, pode ser necessário tratamento intravenoso e até mesmo cirurgia”, diz.

Complicações

É importante alertar, de acordo com o cardiologista, que a diminuição na capacidade de bombeamento do sangue pode provocar arritmias cardíacas. Nos casos mais severos, pode haver formação de coágulos no coração e levar até mesmo a um acidente vascular cerebral ou infarto.

Comentários

Mais notícias

Três secretários de Audifax devem disputar as eleições municipais em outubro

  A Prefeitura da Serra confirmou a desincompatibilização dos secretários Igor Elson B. de Almeida e Elcimara Rangel dos cargos de secretário de Serviços e de...

Número de casos confirmados da Covid-19 sobe para 300 no Espírito Santo

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Espírito Santo aumentou. De acordo com a última atualização divulgada pela Secretaria de Estado da...

Serra tem 11 novos casos de coronavírus e registra 64 pacientes contaminados

Em 24 horas, a Serra teve um aumento significativo no número de casos confirmados do novo coronavírus. De acordo com a última atualização divulgada pela...

Novos partidos alteram o tabuleiro no plenário da Câmara da Serra

Os sem-partido Os vereadores passaram um perrengue nos últimos dias do prazo para filiação partidária para quem tem mandato, 3 de abril. Após o corre-corre,...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem