• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 33.518 casos
  • 683 mortes
  • 32.183 curados
29.2 C
Serra
segunda-feira, 18 janeiro - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 33.518 casos
  • 683 mortes
  • 32.186 curados

Instituto diz que produção de aço cai com falta de minério

Leia também

Com ajuda da Polícia Militar, prefeitura impede invasão de área da Vale na Serra

O que poderia ser mais uma invasão de terra na Serra foi impedida no último domingo (17) numa ação...

Sem água há 3 dias, moradores da Serra se revoltam e protestam contra a Cesan

Após passar por mais de três dias sem receber uma gota de água nas suas residências, moradores do bairro...

UCL reverterá inscrições no vestibular em doações para grupo de proteção animal de Jacaraípe

A UCL, em Manguinhos, promoverá um vestibular especial pós-Enem, no próximo dia 06 de fevereiro, e os estudantes que...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Laminador de tiras a quente da ArcelorMittal na Serra: empresa diz esperar que a Vale priorize o mercado interno. Foto: Arquivo TN/Bruno Lyra

Apesar da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) afirmar que não houve redução nas atividades da Vale no estado nem de empresas ligadas a ela, o Instituto Aço Brasil reconhece a falta de minério de ferro no mercado e aponta que a produção de aço recuou no 1° trimestre deste ano. Também aponta que as exportações do produto serão 6,1% menores que no ano passado.

No Brasil, onde o Espírito Santo é um dos principais estados produtores, entre janeiro e março deste ano a produção de aço bruto recuou 2,8% em comparação ao mesmo período de 2018. Foram produzidas 8,4 milhões de toneladas (Mt). As vendas internas (4,4 Mt) também apresentaram redução (-0,1%) em relação ao 1º trimestre do ano passado; assim como o consumo aparente de 4,9 Mt – com recuo de 1,4%.

Em nota à imprensa, o Instituto afirma acreditar na retomada do crescimento, mas aponta que a falta de minério de ferro – matéria prima do aço – pode influenciar. “Cabe ressaltar, ainda, a necessidade de regularizar o abastecimento de minério de ferro ao setor, dando o mínimo de previsibilidade para as usinas de aço”, diz o comunicado.

O Instituto diz, ainda, que a realização das Reformas da Previdência e Tributária são essenciais para a retomada nos investimentos do setor no país. Com esse cenário estabelecido, prevê para 2019 um crescimento de 2,2% na produção de aço bruto (36 Mt); 4,1% nas vendas internas (19,5 Mt); e 4,6% no consumo aparente (22 Mt).

Mesmo assim, a previsão é de queda de -6,1% nas exportações, com venda de 13,1 Mt e a importação aumenta em 8,7% (2,6 Mt). Questionado sobre os impactos dessa redução na Serra e no estado, a assessoria do Instituto Aço Brasil disse que divulga apenas os dados nacionais.

Principal cliente do minério da Vale no Espírito Santo, a Arcelor MittalTubarão, produtora de placas e bobinas de aço, voltou a afirmar ontem (25) que sua produção está normalizada. A siderúrgica, porém, revela preocupação ao afirmar que “acredita que a Vale conseguirá priorizar o mercado interno e seus clientes brasileiros”, em nota enviada à reportagem.

90% das pelotas são da Vale

Ainda de acordo com dados do Instituto Aço Brasil, vê-se que a produção de aço não só do estado, mas de todo o país, é bem dependente da Vale.

Isso porque 90% das pelotas usadas na produção brasileira vêm da mineradora. Os 10% restantes são 3% de produção própria, já que algumas empresas possuem pelotização, e 7% de outros fornecedores.

Já o uso de minério de ferro fino da Vale corresponde a 46% do total. Outros 47% são de produção própria da siderúrgica e 7% de outras fontes.

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!