20.3 C
Serra
sábado, 06 de junho de 2020

Exportação de minério de ferro despenca 37,6% em Tubarão

Leia também

Mudanças no primeiro escalão da Prefeitura da Serra

Dois secretários municipais, Luciana Malini e Jolhiomar Massariol, foram remanejados entre secretarias da Mulher e da Coordenadoria de Governo...

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente...

Navio sendo carregado com minério no Porto de Tubarão, em Vitória. (Foto: Tadeu Bianconi/Agência Vale)

A redução das atividades de mineração da Vale após o desastre de Brumadinho, que levou ao fechamento de várias barragens da mineradora e ao transporte de cargas da Estrada de Ferro Vitória-Minas, fez as exportações de minério de ferro por Tubarão despencarem em abril. Com isso, aumenta o risco de demissões e outros impactos na economia da Serra e do Espírito Santo

Dados do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) apontam que foram exportados por Tubarão 1,227 milhão de toneladas de minério em abril, valor 36,7% menor que em março – mês em que a produção já estava reduzida -, uma vez que os reflexos do rompimento da barragem em Brumadinho começaram a ser sentidos ainda em janeiro. Tanto que no 1º trimestre de 2019 a Vale já havia reduzido em 14,6% a produção de pelotas de minério nas usinas de Tubarão, conforme relatório da própria empresa.

O Instituto também destaca que outros produtos ligados à cadeia produtiva do setor minero-siderúrgico também tiveram queda nas exportações em abril: caso dos laminados de ferro ou aço não ligados e dos semimanufaturados de ligas de aço. Itens estes que levam minério de ferro e têm a ArcelorMittal Tubarão como principal produtora e exportadora, sendo umas das principais clientes da Vale no estado.

Apesar da baixa, o minério de ferro segue como o principal produto de exportação no Espírito Santo. Em abril, correspondeu a 27,77% de tudo o que foi enviado do estado para outros países.

Só a Vale está ligada a quase 60 mil empregos

O agravamento dos problemas no setor minero-siderúrgico pode piorar os efeitos da crise econômica no estado e na Serra. Só a Vale gera 10,2 mil empregos (próprios e terceirizados) com as atividades no Complexo de Tubarão. A ArcelorMittal, por sua vez, gera mais de cinco mil empregos diretos, entre terceirizados e próprios.

Em um relatório do ano passado, a Vale apontou que a cadeia produtiva gera 58 mil empregos no Espírito Santo, negocia com 523 fornecedores locais e faz girar R$ 806 milhões por ano, só com salário e benefícios de seus funcionários próprios.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos (Sindimetal), Max Célio de Carvalho, já havia expressado essa preocupação no início de abril, destacando que a empresa é uma gigante no estado e responsável por muitos empregos diretos, indiretos (nas terceirizadas), além de fomentar uma cadeia de outras atividades, como comércio, alimentação etc.

Na semana passada, um funcionário da Vale e outro da ArcelorMittal disseram ao TEMPO NOVO, sob a condição de não terem a identidade revelada, que as atividades dentro do Complexo de Tubarão declinaram. A assessoria de imprensa da Vale disse que a empresa está avaliando os impactos na produção. Já a assessoria da Arcelor informou que as operações da empresa estão normalizadas.

PIB recua

Quem também sentiu os impactos da crise no setor minero-siderúrgico foi o Produto Interno Bruto (PIB) do país. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB do primeiro trimestre de 2019 apresentou recuo de -0,2% em comparação ao último trimestre de 2018. E um dos principais responsáveis foi a redução da produção na Vale.

Comentários

Mais notícias

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente do coronavírus. Isso porque já...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!