• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.377 casos
  • 956 mortes
  • 48.328 curados
28.4 C
Serra
terça-feira, 13 abril - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.377 casos
  • 956 mortes
  • 48.328 curados

Estado notifica Prefeitura da Serra para corrigir erros em obra de R$ 7 milhões da Talma Rodrigues

Obra foi paga pelo Governo do Estado, através de convênio, mas executada pela Prefeitura da Serra. Agora, a gestão de Renato Casagrande (PSB) quer explicações e correções dos problemas denunciados e encontrados.

Leia também

Após paralisação dos rodoviários, ônibus do Transcol ficam superlotados na Serra

Logo após causar transtornos na vida de milhares de capixabas, a paralisação promovida por rodoviários do sistema Transcol deixaram...

Rodoviários impedem retorno do Transcol e deixam população sem ônibus nesta terça

A terça-feira (13) começou com grandes dificuldades para quem depende do transporte público nas cidades da Grande Vitória, inclusive...

Feu Rosa registra 41 mortes e já possui 1.932 moradores infectados pelo coronavírus

Sendo uma das comunidades mais afetadas pela pandemia de coronavírus na Serra, Feu Rosa segue contabilizando altos números de...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

As obras geraram polêmica. Foto: Divulgação

O Governo do Estado notificou oficialmente a Prefeitura da Serra para cobrar explicações e exigir correção de erros na obra de reforma da Avenida Talma Rodrigues Ribeiro, na Serra. Apesar do Município ser o responsável por gerir as melhorias, todos os gastos – cerca de R$ 7 milhões – foram pagos pela gestão de Renato Casagrande (PSB), através de um convênio. Um dos principais problemas relatados e denunciados por moradores é a “péssima qualidade” do asfalto aplicado na ciclovia construída na região, mas não para por aí.

A notificação foi feita pela Secretaria Estado de Saneamento, Habitação e Desenvolvimento Urbano (SEDURB), e de acordo com o Estado, foi baseada nos termos da visita técnica do convênio Sedurb/068/2018, celebrado entre o Governo do Estado e a Prefeitura da Serra, para execução das obras. Na prática, o Estado quer esclarecimentos da administração de Audifax Barcelos (Rede) sobre as denúncias feitas. Além disso, cobra as devidas correções.

Conforme já havia sido noticiado pelo TEMPO NOVO, quem circula pela ciclovia de 7,5 quilômetros – que interliga o polo industrial Civit II e diversos bairros, como Alterosas, Vila Nova de Colares, Feu Rosa e Portal de Jacaraípe – reparou que o asfalto aplicado está soltando. Além disso, já existem diversos buracos na pista. Moradores afirmam que o asfalto não durará muito tempo devido sua “péssima qualidade”.

Além disso, também existem outros erros como, por exemplo, árvores no meio da ciclovia, o que atrapalha a passagem de ciclistas. Também foi registrado que após destruir uma estrutura construída durante as obras na Talma Rodrigues, a Prefeitura da Serra se envolveu em uma polêmica com a comunidade de Castelândia, na região de Jacaraípe.

Faixa elevada havia sido construída pela Prefeitura da Serra, que voltou lá e destruiu a estrutura. Foto: Leitor TN

Trata-se de uma faixa elevada para pedestres e ciclistas que, segundo populares, havia sido feita na avenida há pouco tempo, mas foi desfeita por uma equipe da Serra em outubro. Por conta disso, os moradores ficaram revoltados com a situação e acusaram a administração municipal de “gastar dinheiro à toa”.

O TEMPO NOVO entrou em contato com a Prefeitura da Serra fazendo uma série de perguntas sobre as obras. No entanto, a assessoria de imprensa ignorou os questionamentos e se limitou a dizer que o Município ainda não foi notificado pelo Estado.

Sobre a ciclovia, numa matéria anterior, a prefeitura disse que a informação de que o asfalto é de péssima qualidade e de que existem buracos na ciclovia não procede. Ainda segundo o Município, na obra da Av. Talma Rodrigues Ribeiro foi feito um asfalto com tratamento duplo, que apresenta a característica de aspecto poroso.

“Essa porosidade torna o asfalto mais seguro ao trânsito dos ciclistas, pois o asfalto liso é muito escorregadio. Além disso, é o tipo de asfalto que oferece melhor custo-benefício para passeios e ciclovias”, destacou o Município na nota.

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!