[secondary_title]

Entulho vira brita de baixo custo em empresa da Serra

- PUBLICIDADE-
Reciclagem: o diretor George Regys (à direita) e o gerente José Enoque comandam produção diária de 800 toneladas. Foto: Bruno Lyra
Reciclagem: o diretor George Regys (à direita) e o gerente José Enoque comandam produção diária de 800 toneladas. Foto: Bruno Lyra

Bruno Lyra

De uma pequena reforma, passando por uma obra maior ou mesmo a demolição do imóvel, gera-se entulho. Pois foi justamente neste resíduo, que empreendedores no município enxergaram uma boa oportunidade de negócio. E de quebra, ajudam a reduzir a quantidade imensa de entulho que emporcalha terrenos baldios e áreas verdes de cidade, que possui mais de 700 pontos viciados e clandestinos de deposição de resíduos sólidos.

Trata-se da Ureserra, que transforma entulho em brita zero, brita um e brita corrida, produtos que retornam para a construção civil até 60% mais baratos do que a brita virgem de pedreiras. “O que também reduz a extração de rochas, atividade de grande impacto no meio ambiente”, frisa o diretor da empresa, George Regys.

Segundo George, as britas só não podem ser usadas em estruturas de vigas e colunas. “Mas servem para nivelamento e compactação de vias, base e sub-base para galpões e demais aplicações na construção civil. Para isto, já temos aprovação do DER (Departamento de Estradas de Rodagem do ES)”, detalha Regys.

O diretor garante que levar o entulho para reciclagem na Ureserra, sai mais barato do que levar para empresas que operam aterros de resíduos na Grande Vitória. Cobramos R$ 10 por metro cúbico de entulho, o que dá 1,5 tonelada. Já os aterros cobram R$ 20 por tonelada. Sem contar que neles o entulho é enterrado, virando passivo ambiental. Aqui o material é quase todo reciclado. Conseguimos aproveitar de 90% a 95% do que chega”, frisa .

Mas para o entulho poder ser enviado à empresa, ele precisa estar livre de outros resíduos como óleo, amianto, gesso, lixo doméstico e outros materiais orgânicos. “Recebemos casqueiro de granito e mármore, concreto e outros materiais de demolição como madeira, areia, brita e até papel e plástico. Aqui fazemos a triagem, um trabalho que hoje emprega oito através de convênio com a Sejus (Secretaria de Estado da Justiça). Depois o material vai para a trituradora, que o transforma em brita”, conta Regys.

A Ureserra opera há dois anos, num terreno de 25 mil m2 na região do Jacuhy às margens da Rodovia do Contorno (BR 101). O investimento foi de R$ 1,5 milhão e além dos oito apenados, a empresa gera 16 empregos. Contatos da empresa no tel 2233 -8218 e no e-mail contato@ureserra.ind.br.

...

Carreta bate em poste e complica trânsito na Serra

Um acidente envolvendo uma carreta complicou o trânsito de quem passou pelo Terminal de Laranjeiras, na Serra, na manhã deste sábado (13). Uma das...

Confira a programação gratuita de férias no Museu Vale na Serra

Com a chegada da segunda semana de julho, começam as férias escolares de inverno. Pensando nisso, Tempo Novo encontrou uma nova programação para os...

Segundo suspeito de matar instrumentador cirúrgico é preso na Serra

Um jovem, de 19 anos, foi preso dentro de uma barbearia no bairro Planalto Serrano, na Serra, no final da tarde desta sexta-feira (12)...

Eleições 2024: conheça Fred e seus projetos como vereador da Serra

  Eleito com 2.157 votos, Marlon Fred, o Fred (PDT), é mineiro de nascimento, serrano de coração. Ele nasceu na cidade de Montes Claros/MG, em...

Festa junina no Eliziário Rangel promete alegrar o sábado em São Diogo

Neste sábado (13), o Centro Cultural Eliziário Rangel, em São Diogo, na Serra, promove sua festa julina, das 17h às 21h. O evento, que...

Serra abre novas vagas de cursos gratuitos no Senac; veja como se inscrever

Os moradores da Serra têm agora mais oportunidades para ingressar no mercado de trabalho ou iniciar seus próprios negócios. A Prefeitura da Serra, em...