• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 57.848 casos
  • 1.210 mortes
  • 55.783 curados
25.4 C
Serra
quinta-feira, 13 maio - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 57.848 casos
  • 1.210 mortes
  • 55.783 curados

Embargado aterro com escória nos alagados do Mestre Álvaro

Leia também

Festival apresenta 12 atrações musicais capixabas de diferentes estilos e linguagens

Doze atrações musicais capixabas com performances que entregam grito por diversidade e liberdade. E mais: dança, rock, fala, hip...

De mochilão e bicicleta, amigos vem pedalando da Argentina para conhecer belezas da Serra

Imagine conhecer o litoral brasileiro dando muitas pedaladas? Uma aventura e tanto, não é? Em busca da liberdade e...

Com investimento de mais de R$ 2 milhões, Fapes abre inscrições para bolsistas

Um investimento de R$ 2,1 milhões será destinado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

O aterro avança sobre áreas alagadiças próximas ao Mestre Álvaro
O aterro avança sobre áreas alagadiças próximas ao Mestre Álvaro

Está embargado pela Secretaria de Meio Ambiente da Serra o aterro de grande porte feito com resíduos do alto-forno da Arcelor Mittal Tubarão (Ex-CST) numa área alagada próxima ao Mestre Álvaro e ao Canal dos Escravos.

O aterro, de responsabilidade da imobiliária San Carlo, faz parte da expansão do polo industrial Piracema. Segundo o diretor de Fiscalização da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), José Luiz Scaquette, a licença para loteamento no polo estava vencida.

“A San Carlo, a Arcelor e a Coopgranéis, que transportou o material da siderúrgica até o terreno, foram notificadas. A equipe da Semma está avaliando se vai ou não aplicar multas”, explicou.

Ainda segundo José Luiz, os técnicos do órgão também estão avaliando se o material usado no aterro  é adequado  para o local, uma vez que aquelas águas têm conexão com o rio Santa Maria e os manguezais da baía de Vitória.

“Por isto vamos notificar a Arcelor para que dê explicações detalhadas sobre este produto”, concluiu.

Outro lado

O diretor executivo da San Carlo, Erly Vieria, disse que o aterro tem 300 mil m2, e que tinha recebido orientações do ex-secretário de Meio Ambiente da Serra de que a licença que possuía era suficiente.

Mas, segundo Erly, a nova secretária entendeu que era necessária uma licença para cada lote. Então vamos acatar para que a obra possa continuar. Quanto ao material utilizado, disse que é escória de alto forno.

“Não oferece risco de contaminação e é adequado para aterro neste tipo de terreno. Dos 1,6 milhão de m2 do Piracema, 300 mil m2 são para área de preservação”.

A assessoria da Arcelor Mittal foi acionada, mas não deu posicionamento da empresa até o final da tarde de ontem (09)

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!