• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 63.562 casos
  • 1.352 mortes
  • 61.622 curados
20.7 C
Serra
sábado, 12 junho - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 63.562 casos
  • 1.352 mortes
  • 61.622 curados
Visita inesperada:

Efeitos da vacina? Jacaré tenta curtir uma praia, mas causa alvoroço em balneário da Serra

Leia também

Ministro de Bolsonaro cita a Serra e divulga vídeo da obra do Contorno do Mestre Álvaro

Na última sexta-feira (11) o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas publicou um vídeo em suas redes sociais,...

Atenção: Serra ainda tem vagas para vacinas de Covid (1° e 2° dose) e Influenza

A Prefeitura Municipal da Serra, por meio da secretaria de Saúde, informa que das vagas abertas nesta sexta-feira (11),...

Serra retoma aulas presenciais para 14 mil alunos do 6º ao 9º ano e EJA

  As atividades para os alunos da rede municipal de educação da Serra que estão cursando entre o 6º e...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

O jacaré causou alvoroço na praia de Carapebus. Foto: Divulgação

Procurada por quem gosta de belezas naturais e bastante tranquilidade, a Praia de Carapebus teve uma manhã agitada por conta de um visitante inesperado nesta quinta-feira (13). Trata-se de um jacaré-de-papo-amarelo que surpreendeu e também assustou banhistas ao aparecer nas areias do balneário logo cedo. De acordo com moradores da região, o animal estava correndo próximo a água e, por diversas vezes, se jogou nas ondas do mar como mostra vídeo no final desta matéria.

Para entender melhor como tudo aconteceu, o TEMPO NOVO conversou com moradores da região e também um biólogo. Uma moradora, que caminhava pela praia na manhã desta quinta-feira, foi quem viu o jacaré pela primeira vez. Em relato, ela afirma ter ficado bastante assustada e saiu correndo logo que encontrou o bicho.

“Eu estava correndo na volta (pela praia), mas a lagoa abriu e nisso eu decidi voltar. Quando eu olho vejo um negócio na areia. Pensei que era uma cobra, mas quando olhei era um filhote de jacaré. Eu não tive muito que fazer. Pensei: ou eu saio correndo ou entro na água. Ai eu saí correndo porque ele já estava na posição de ataque e parecia que iria me morder”, explicou a popular que não se identificou.

O proprietário do Silvas Restaurante, Gustavo Coutinho, acompanhou a situação e conversou com a reportagem. De acordo com ele, funcionários do seu estabelecimento capturaram o jacaré e o colocaram em uma piscina em construção, pois o animal estava muito debilitado. “Imediatamente ligamos para o Instituto Caiman para que fizessem o recolhimento e avaliação para posteriormente soltura na natureza”, afirmou.

Gustavo também disse que possivelmente o animal veio da Lagoa de Carapebus. “O jacaré possivelmente veio da Lagoa de Carapebus, uma vez que a mesma foi aberta nessa manhã. Apesar da lagoa ser aberta constantemente, foi a primeira vez que presenciamos um jacaré”, contou.

O biólogo Cláudio Santiago alertou que, apesar desse bicho estar na praia, não existe jacaré de água salgada e, possivelmente, este animal está acostumado com a situação. “O interessante de destacar é que esse bicho não é de água salgada. É de água doce, mas provavelmente já se acostumou com a água salobra e consegue se deslocar na praia sem grandes dificuldades. Ele tolera, mas não é disso. Foi atrás de alimentação ou alguma outra situação”, salientou.

Santiago também disse que cenas parecidas já foram vistas em outros locais do Espírito Santo. “A reserva da empresa Vale é lotada desses jacarés e é bem comum eles aparecerem nas lagoas. Também já apareceu na praia de Camburi, em Vitória, e em outros locais. Esse encontrado hoje ainda é um filhote”, finalizou.

Resgate

O animal, felizmente, teve um final feliz. Isso porque acabou sendo resgatado pelo Instituto Caiman. O coordenador do projeto, Yhuri Cardoso Nóbrega, explicou em outra ocasião ao TEMPO NOVO que o jacaré é considerado um símbolo para o Espírito Santo.

“O jacaré é considerado símbolo da biodiversidade do Espírito Santo. Essa espécie é fundamental para o equilíbrio da Mata Atlântica e para a saúde desses ambientes. Uma das principais ameaças para eles é a degradação da Mata Atlântica”.

Yhuri ainda destacou que a orientação é que os moradores não se aproximem do animal em hipótese alguma. Ainda segundo ele, a população pode acionar o Instituto Caiman para resgate e cuidado de jacarés. O telefone é (27) 99818-3188. Também pode ligar para a Polícia Ambiental: (27) 3636-1650.

Vale ressaltar que esta espécie está classificada em “perigo de extinção”. Na prática, isso significa que esses animais podem, em pouco tempo, não mais existir no Brasil.

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!