21.9 C
Serra
terça-feira, 21 de janeiro de 2020

“É complicado ser mãe, esposa e ter força para cuidar do trabalho”

Leia também

Regional da Nair, Tunico da Vila e DJ’s agitam Manguinhos no sábado

Neste sábado (25) vai ter muito samba no Enseada Beach, em Manguinhos, a partir das 14 horas. Trata-se do...

Serra abre vagas para cuidador com salário de R$ 1.039

Está aberto o processo seletivo simplificado para a contratação de cuidador, que irá atuar junto aos estudantes com deficiência...

Jiu-jítsu, caratê e shows encerram programação da Arena Procon

A Arena Procon Serra está se despedindo da praia de Jacaraípe, mas até esta quarta-feira (22), último dia de...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Lilico e Neuza: mulheres maduras com muitos desafios e sonhos. Foto: Divulgação

Flora Antônia

Estar na casa dos cinquenta e poucos anos e ser mulher. Essa é uma condição ao mesmo tempo desafiadora e cheia de aspirações. Tempo Novo ouviu o que pensam serranas dessa faixa etária, prosseguindo a série iniciada em março, mês em que é celebrado o Dia Internacional da Mulher.

Ativista comunitária e agente de Saúde no bairro José de Anchieta II, Maria do Carmo ‘Lilico’ Balduíno tem 52 anos e encara as dificuldades no dia a dia sem deixar de sonhar.  “Tem momentos em que é complicado conciliar a tarefa de ser mãe, esposa, e ter força para cuidar do trabalho. Sigo nessa luta como mulher, mãe e avó”, conta.

Lilico, como é mais conhecida, perdeu um de seus filhos para a violência. “Quando vejo o outro em uma condição ruim, fico mal. Gostaria de um mundo mais igual, com todos tendo acesso ao lazer, sorrindo, com condições boas de trabalho. Hoje participo de um grupo de escolhinha de futebol que busca alertar a garotada sobre os riscos do tráfico de drogas. Também sou militante no grupo Movimento Negro Unificado”, enumera.  

De Nova Almeida, a pedagoga Andressa Pretti Dallapicula tem 53 anos e é viúva. Para ela, a mulher tem que ser o que quiser. “Nem mais forte, nem mais inteligente, nem mais sensível, nem mais capaz: igual. Ser mulher é ter essência própria. É ser resultado de nossas escolhas e ideais”, filosofa.

Também de Nova Almeida, a professora de Educação Especial Neuza Soares, 53 anos, diz que ser mulher é ter capacidade de se reinventar. “É saber dizer não, é ter de lidar com a intimidação, ser feroz e voraz na sua vida e na sua luta. Se perceber, se conhecer, ser observadora, livre e feliz nos mínimos detalhes. Ser o que quer ser, estar onde quer estar, e ficar sozinha e bem”, define.  

Comentários

Mais notícias

Serra abre vagas para cuidador com salário de R$ 1.039

Está aberto o processo seletivo simplificado para a contratação de cuidador, que irá atuar junto aos estudantes com deficiência nas unidades de ensino da...

Jiu-jítsu, caratê e shows encerram programação da Arena Procon

A Arena Procon Serra está se despedindo da praia de Jacaraípe, mas até esta quarta-feira (22), último dia de funcionamento, ainda tem muita programação,...

Mutirão para impedir novo surto de dengue na Serra

Com a possibilidade de enfrentar um novo surto de dengue este ano, a Prefeitura da Serra está mobilizando funcionários das unidades básicas de saúde...

Manutenção da EDP vai deixar bairros da Serra sem energia nesta semana

Durante esta semana, muitas comunidades da Serra ficarão sem energia por um determinado período. Isso porque a EDP Espírito Santo irá realizar uma manutenção...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!