27.7 C
Serra
sábado, 28 maio - 2022
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Desobstruções representam 65% dos serviços de manutenção das redes de esgoto na Serra

Entupimento desses sistemas é ocasionado pelo descarte indevido de materiais

Leia também

Campanha de segurança de trânsito alcança 3 mil serranos

Desde o inicio deste mês, o Departamento Operacional de Trânsito (DOT), tendo em vista a campanha de conscientização de...

Polícia prende suspeitos de roubar carro com bebê e criança na frente de creche na Serra

A Policia Civil, por meio da Divisão Especializada de Furtos e Roubos de Veiculos, prendeu em flagrante um dos...

Lei torna hediondo crime praticado contra menores de 14 anos

O Presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 14.344/2022 que cria mecanismos para a prevenção e o enfrentamento da violência...
Conteúdo Patrocinadohttps://www.portaltemponovo.com.br
O conteúdo patrocinado não é reflete a opinião do Tempo Novo, mas é de responsabilidade dos seus autores.

As redes coletoras precisam operar com eficiência e sem problemas na estrutura para que o tratamento do efluente aconteça. Foto: Divulgação

Desde o início das operações, em 2015, a Ambiental Serra, parceira público-privada da Companhia Espírito-santense de Saneamento (Cesan), já realizou mais de 73 mil desobstruções nas redes de esgoto da Serra, sendo o descarte irregular de resíduos nas tubulações um dos principais responsáveis para a necessidade dessas ações. A desobstrução ocupa uma porcentagem de 65% dos serviços de manutenção prestados pela empresa, um número que aponta a necessidade da conscientização por parte da população em relação ao cuidado com o sistema de esgotamento sanitário.

As redes coletoras precisam operar com eficiência e sem problemas na estrutura para que o tratamento do efluente aconteça. Elas foram feitas para transportar somente esgoto, que é a água utilizada no banho, na limpeza de louças e roupas, na descarga do vaso sanitário. No entanto, várias pessoas descartam nelas elementos incorretos, como cotonetes, absorventes, camisinhas, fios de cabelo, fraldas, restos de comida, óleo, entre outros.

Os fios de cabelo quando acumulados, por exemplo, obstruem os sistemas completamente. O correto é juntar os fios que ficam presos nos ralos do banheiro, para depois jogar na lixeira. O óleo é outro material problemático, pois, mesmo sendo líquido, ao chegar dentro das tubulações, se petrifica e impede a passagem de esgoto. A solução para o descarte desse elemento é o reaproveitamento e a reciclagem.

De acordo com Wanderson Gomes, analista da área de Responsabilidade Social da Ambiental Serra, já foram encontrados diversos tipos de materiais em serviços de desobstrução. “O nosso maior inimigo é a gordura. Além dela, outros elementos muito encontrados são a areia, papel higiênico, lenço umedecido e a fralda descartável. Se o objetivo da fralda descartável é absorver o líquido, ficando inchada, imagina como ela fica quando é lançada nas redes?”, questionou o profissional.

Os problemas do descarte irregular

As consequências negativas do descarte irregular são várias, e dentre elas, estão: o não tratamento do esgoto, pois as redes ficam obstruídas, o que impede o transporte do efluente até as Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs); a possibilidade de rompimento das tubulações, o que faz o esgoto extravasar para as ruas; a possibilidade de a água residual voltar para as casas dos moradores; o incômodo pelo mau cheiro; o risco da propagação de doenças, pois a água contaminada possui microrganismos patogênicos que causam várias enfermidades.

O uso correto das redes é importante para o funcionamento das tubulações, e, consequentemente, para a qualidade de vida de toda a população serrana. Por mais que as empresas responsáveis pelos sistemas de esgotamento sanitário trabalhem diariamente e atendam às solicitações de vazamentos de efluentes, os moradores também precisam fazer a parte deles para que o resultado do serviço de saneamento seja completamente eficaz.

Parceria público-privada

A Ambiental Serra firmou, desde 2015, uma parceria público-privada (PPP) com a Cesan a fim de realizar a implantação e a manutenção do sistema de esgotamento sanitário da Serra. Por meio dessa união, a cobertura das redes de esgoto no município saltou de 58% para 90%, com 1,2 bilhão de litros de efluentes sendo tratados por mês.

Conteúdo Patrocinadohttps://www.portaltemponovo.com.br
O conteúdo patrocinado não é reflete a opinião do Tempo Novo, mas é de responsabilidade dos seus autores.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!