20 C
Serra
quinta-feira, 09 de julho de 2020

Deslizamentos, desalojados e perdas materiais em temporal na Serra

Leia também

Nova Lei obriga a notificação de casos de violência no Estado

Publicada no Diário Oficial do Estado nesta quarta-feira (8), a Lei 11.147/2020 obriga profissionais que atuam em serviços de...

ArcelorMittal vai retomar parte da capacidade produtiva em Tubarão

Maior indústria instalada na Serra e que está com sua capacidade produtiva reduzida à menos da metade, a ArcelorMittal...

Mais de 400 empresas já fecharam na Serra durante a pandemia

Levantamento feito pelo Sebrae/ES junto à Receita Federal, apontou que 442 empresas encerram suas atividades entre o dia 16...
Vilson Vieira Jrhttps://www.portaltemponovo.com.br%20
Morador da Serra, Vilson Vieira Junior é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Esporte.

O bairro Central Carapina sofreu com as fortes chuvas que atingiram o Espírito Santo. Foto: Divulgação

As chuvas do último fim de semana causaram inúmeros transtornos na Grande Vitória. Na Serra, segundo o Centro Nacional de Monitoramento e Desastres Naturais (Cemaden), entre 17 de maio e 18 de maio, choveu 228,0 mm. Tanta chuva, aliada a uma estrutura urbana precária, resultou em ruas totalmente alagadas, além de comércios e casas invadidas pela água.

Segundo a Prefeitura da Serra, os bairros do município com maior índice de alagamento foram Jardim Carapina, Jardim Tropical, Jacaraípe e Central Carapina. Neste último bairro, ruas inteiras foram tomadas pela água com a chuva de sábado. Carros ficaram submersos e moradores, ilhados em suas casas.

E se as chuvas passaram, ainda causam sofrimento para boa parte da população. É o caso de Jarbas Silva, morador de Central Carapina. “Tive que suspender móveis e eletrodomésticos, e acho que perdi meu aparelho de som. Ainda há muita sujeira, mas a água baixou”, conta. Segundo Jarbas, donos de alguns estabelecimentos comerciais foram pegos de surpresa com a chuva e não conseguiram salvar seus produtos.

É o caso de uma academia no centro do bairro. O local foi invadido pela enxurrada e teve um alto prejuízo com o temporal. “A água subiu cerca de um metro dentro da academia. Não deu tempo de salvar nada. Perdi cerca de R$ 48 mil em equipamentos”, diz o proprietário, que pediu para não se identificar. Em razão dos estragos, ele diz não saber quando vai reabrir o estabelecimento. “Acordar e ver que perdi tudo, é triste”, lamenta.

Ruas ficaram alagadas também no distrito de Nova Almeida, principalmente no bairro Boa Vista I, na rua Santa Cruz; em Praiamar, na rua Coronel Fabriciano; e em Parque Santa Fé, na rua Cândido Bezerra. Feu Rosa e Jacaraípe também foram bastante atingidos.

Deslizamentos de terra

Em Central Carapina, houve deslizamento de um barranco. A lama atingiu diversas casas na rua Distrito Federal. Até a manhã desta segunda-feira (20), ninguém da Prefeitura havia aparecido no local, segundo disse um morador à reportagem. Sobre este caso, o órgão disse, na tarde desta segunda, que equipes da Secretaria de Serviços foram acionadas para a limpeza do local.

Em José de Anchieta II, uma ribanceira cedeu na rua Santa Luzia e interditou a via no último sábado. Um poste de energia também cedeu. Ninguém ficou ferido e nenhuma casa foi atingida. “O barranco desabou e minha residência fica bem próxima. Levei um susto daqueles, mas graças a Deus ninguém se feriu”, conta Margarida Francisca. A Prefeitura limpou o local e a pista foi liberada.

Ajuda para atingidos

A Prefeitura informou que há cerca de 60 famílias desalojadas na cidade e que já providenciou toda a estrutura necessária para os atingidos, por meio de fornecimento de colchões, cestas básicas, roupas de cama e cobertores. A Secretaria de Assistência Social disse que providenciou colchões e cestas básicas para os desalojados.

Uma força-tarefa das secretarias de Serviços, Obras, Saúde, Educação e Defesa Civil continua nas ruas monitorando a situação. A Prefeitura disse que há um ponto de alagamento em Hélio Ferraz.

Confira mais fotos de locais atingidos por alagamentos ou deslizamentos na Serra: 

Comentários

Mais notícias

ArcelorMittal vai retomar parte da capacidade produtiva em Tubarão

Maior indústria instalada na Serra e que está com sua capacidade produtiva reduzida à menos da metade, a ArcelorMittal Tubarão anunciou nesta quarta-feira (08)...

Mais de 400 empresas já fecharam na Serra durante a pandemia

Levantamento feito pelo Sebrae/ES junto à Receita Federal, apontou que 442 empresas encerram suas atividades entre o dia 16 de março – data em...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!