26.6 C
Serra
terça-feira, 25 janeiro - 2022
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Dengue segue em queda, mas Prefeitura pede que morador continue atento aos cuidados

Leia também

Filiação do senador Fabiano Contarato ao PT será virtual nesta sexta (28)

  Será de forma híbrida a filiação do senador Fabiano Contarato ao PT, neste dia 28. As informações dão conta...

Estado vai fiscalizar laboratórios privados sobre irregularidades em notificações de Covid-19

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) está notificando as Vigilâncias Sanitárias Municipais para procederem a fiscalização de laboratórios...

Descubra por que Bicanga tem se tornado a queridinha dos investidores

Localizada no litoral da Serra, bem perto de Manguinhos, Bicanga tem despontado como uma das regiões de investimentos de...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Aedes aegypt é um mosquito africano que virou praga urbana e grave problema de saúde pública no país. Foto: Agência Brasil

Enquanto a Covid-19 segue com seus números nas alturas, a dengue parece que deu uma acalmada, pelo menos na Serra. Isso é o que mostram os números da Prefeitura que afirma que registrou queda nos casos de dengue, zika e chikungunya nos primeiros meses deste ano. A doenças são transmitidas por meio da picada do mosquito Aedes Aegypti.

De janeiro a maio deste ano, a Vigilância Epidemiológica registrou 289 casos de dengue, 11 casos de zika, sendo quatro em gestantes, e 177 casos de chikungunya.

Já em 2020, foram registrados 3.562 casos de dengue, 54 casos de zika e 740 de chikungunya, nas 19 primeiras semanas do ano.

Em 2021, a região com maior concentração de casos notificados de dengue a de Laranjeiras, com 38% de incidência.

Apesar de a doença estar em queda no município, a Prefeitura pede que os moradores fiquem atentos a alguns cuidados que evitar a proliferação do Aedes, que é transmissor das doenças.

Cuidados

  • Tampe os tonéis e caixas d’água;
  • Mantenha as calhas sempre limpas;
  • Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;
  • Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;
  • Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;
  • Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais;
  • Retire a água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.

Fique atento aos sintomas da doença

No caso da dengue, o doente pode apresentar sintomas, como febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, náuseas ou até mesmo não apresentar qualquer sintoma. O aparecimento de manchas vermelhas na pele, sangramentos (nariz e gengivas), dor abdominal intensa e contínua, além de vômitos persistentes, podem indicar a evolução para dengue grave, que necessita de imediata atenção médica, pois pode levar à morte.

Em relação à chikungunya, os sintomas mais comuns são febre alta de início imediato, dores nas articulações, manchas na pele e vermelhidão nos olhos.

Os sinais de infecção pelo zika vírus são parecidos com os sintomas de dengue e começam de três a 12 dias após a picada do mosquito. Os sintomas de zika vírus, quando presentes, são febre baixa (entre 37,8° e 38,5°C), dor nas articulações, principalmente nas mãos e nos pés, com possível inchaço, dor muscular, dor de cabeça e atrás dos olhos, exantemas (erupções cutâneas) acompanhadas de coceira, além de vermelhidão e inchaço nos olhos.

A doença também pode apresentar outros sintomas, como dor abdominal, diarreia, constipação, fotofobia e pequenas úlceras na boca.

Para evitar contrair uma dessas doenças, a única saída é combater o Aedes Aegypti, e isso só é possível acabando com os focos do mosquito (locais de água parada).

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há 25 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!