De olho em agradar a plateia | Portal Tempo Novo

Serra, 11 de dezembro de 2018

Portal Tempo Novo - O Portal da Serra, ES

Mestre Álvaro

por Eci Scardini

Serra, 16 de novembro de 2018 às 8:56

De olho em agradar a plateia

Por Yuri Scardini
[email protected]

Por Yuri Scardini

A fim de cumprir sua promessa de diminuir o tamanho do Estado, o presidente Bolsonaro vem anunciando várias mudanças nos Ministérios. Medidas assim soam como música aos ouvidos da população, mas objetivamente é jogar para a plateia.

Diminuir de 29 para 17 Ministérios não fará nem cócegas no Orçamento da União. Até porque não adianta reduzir Ministério para lotar repartições públicas de divisórias para caber gente.

É verdade que muitas vezes, as indicações de cargos são para acomodar apadrinhados de um Governo influenciado por políticos e partidos fisiológicos. Esse é o presidencialismo de colisão, que popularmente vem sendo chamado de ‘toma lá da cá’. Prática muita criticada, mas que visa à governabilidade.

Segundo dados do Ministério do Planejamento, o Governo Federal tem 622 mil servidores, dos quais aproximadamente 240 mil estão na ativa, ou seja, mais de 60% são aposentados ou pensionistas. Destes 240 mil, 23 mil são servidores comissionados, nem 10%, e dentre eles ‘apenas’ 11 mil não precisam ser concursados sendo de livre de indicação do presidente.

Número que olhado em perspectiva, não é gargalo em um orçamento de R$ 1.4 trilhão. A título de comparação: A Prefeitura da Serra orçou R$ 1.7 bilhão para 2019 e tem 900 cargos comissionados de livre nomeação. Já no Governo do ES tem cerca de 3.500 comissionados, para um orçamento de R$ 18 bilhões em 2019. Números proporcionalmente muito maiores que o Governo Federal. E se tratando de um Município e Estado equilibrados sob a perspectiva fiscal.

É bom que Bolsonaro corte gente onde der, mas é ilusão que isso tenha algum impacto real no orçamento. Até que ponto vale a pena extinguir ou fundir Ministérios expressivos, como o Trabalho, para ter uma economia módica em um orçamento trilionário?

O problema estruturante para o Brasil segue sendo a Previdência, que em 2019 vai consumir R$ 767 bilhões, aproximadamente 58% do orçamento fiscal do Governo. E disso, pouco vem sendo falado. Ainda mais que os militares representam quase 50% desse valor. Classe que deu apoio incondicional para Bolsonaro.

No Brasil de hoje, não cabe mais jogar para plateia. O PT fez isso por anos, e deu no que deu. O novo Governo tem que encarar a realidade do Brasil, e ela é impopular e misantrópica.




O que você acha ?

Você concorda com a saída de Cuba do Mais Médicos?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Veja também

Portal Tempo Novo

Rua Euclides da Cunha, 394 - sl 103 e 104 - Laranjeiras, Serra, ES

CEP:29165-310 - Tel: 27 3328-5765

Todos os direitos reservados ao Jornal Tempo Novo © Desenvolvido por