25 C
Serra
quarta-feira, 02 de dezembro de 2020

Crime ambiental em Cariacica atinge afluente do rio Santa Maria

Leia também

Serra poderá ganhar mais uma vaga na Assembleia Legislativa

O resultado da eleição 2020 impactou na composição da Assembleia Legislativa. E com as mudanças a Serra pode alcançar...

Habilitações vencidas em 2020 terão um ano a mais de validade

Está em vigor, a partir de hoje (1º), a resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que restabelece os prazos...

Matrículas abertas para novos alunos em creches da Serra

A pandemia causada pelo coronavírus fez com que todas as cidades brasileiras suspendessem as aulas presenciais. Mesmo assim, as...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Segundo a Polícia Ambiental os responsáveis fizeram terraplanagem três vezes maior do que a defesa ambiental permitia. Foto: Divulgação Polícia Ambiental
Segundo a Polícia Ambiental os responsáveis fizeram terraplanagem três vezes maior do que a defesa ambiental permitia. Foto: Divulgação Polícia Ambiental

Um crime ambiental foi flagrado na última quinta-feira (13), em Cariacica, na localidade de Cajueiro. A Polícia Ambiental constatou uma série de irregularidades.

Uma terraplanagem/corte e aterro sem licença ambiental atingindo Área de Preservação Permanente (APP), desmate da vegetação nativa, construção de poço escavado formando um lago, drenagem de águas pluviais, construção de muro a margem do córrego Vasco Coutinho com 300 metros de extensão, sendo trinta metros em área de preservação. Esse córrego desagua no rio Santa Maria da Vitória

No local, um funcionário apresentou uma licença simplificada do Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), autorizando a terraplanagem no local, no entanto, a licença limitava-se a uma área de no máximo 10.000 metros quadrados, com taludes de 3 metros e que não afetava a margem do curso hídrico, nem autorizava supressão da vegetação.

Foi constatado ainda que a área total de terraplanagem era de 36 mil metros quadrados, com taludes de até dezessete metros de altura e a movimentação de terra realizada chegou a um metro do córrego Vasco Coutinho, e por isso o empreendimento estava totalmente irregular.

O desmatamento e o poço escavado não tinham autorização do Instituto de Defesa Agropecuária (Idaf), nem tampouco a construção do muro, que chegava a um metro do curso hídrico, possuía licença ambiental junto ao Iema para sua construção. A área desmatada foi de 1.080 metros quadrados de vegetação em estágio inicial de regeneração e o poço escavado formou um lago artificial de 880 metros quadrados de área de superfície em uma área que possivelmente se trata de uma nascente.

Segundo os policiais, a área da empresa é alugada e nem o proprietário nem o dono da empresa compareceram ao local no momento da fiscalização. Um responsável pela empresa foi conduzido a Delegacia de Crimes Ambientais, no bairro Jardim América, município de Cariacica.

 

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Audifômetro: faltam 30 dias para o fim do governo Audifax na Serra
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!